30 julho 2006

Heloisa Helena a serviço da direita

O maior dilema de Heloísa Helena, como ela mesma confessa, é perder o salário de parlamentar.

Diz a senadora: "Preferia ser candidata em Alagoas" (ao governo do Estado). Mas, apesar de o governador Ronaldo Lessa (PDT-AL) ter acenado com um possível apoio à sua candidatura ao Palácio dos Martírios, sede do governo alagoano, ela acredita que Lessa está mais interessado em outro nome para substituí-lo na administração estadual.

Sobrou para Heloísa Helena, como ela mesma reconhece, o papel de atrapalhar a reeleição de Lula, candidatando-se à Presidência pelo seu PSOL, ciente das conseqüências da atitude.

"Não podemos ficar em 2006 estatelados diante do jogo neoliberal do PT e do PSDB. Faz parte da nossa tradição alguém ir para o sacrifício para outros manterem a trincheira da luta".

Se eu não vencer, vou deixar o salário de senadora pelo de professora universitária em Alagoas, uma decisão que afeta minha família, mas paciência", lamenta Heloísa Helena PSOL-AL.

E ela ainda faz aquela pose toda de quem está preocupada com os destinos da Nação.

Dá pra notar que essa moça anda muito nervosa. O salário de senadora vai lhe fazer muita falta. O maior sacrifício ao qual ela acha que vai se submeter, todos já sabem, é perder o salário de senadora.

Provavelmente, depois de se acostumar com o salário, jetons e outras vantagens do Senado, Heloísa Helena não iria se readaptar à vida de professora universitária, apesar de apenas voltar a ter uma remuneração e cargo aos quais milhões de brasileiros almejam com muita paixão. Mas o Senado é o Senado. Paciência!

Não consigo entender por que Heloísa Helena se sacrificaria "para outros manterem a trincheira da luta". Imagino que, um sacrifício desses implicaria, pelo menos, a ascensão de aliados ideologicamente mais próximos, que não fizessem o "jogo neoliberal do PT e do PSDB", conforme ela mesma afirma.

Entretanto, no caso de derrota de Lula, seria eleito o candidato do PSDB, com uma política econômica, comprovadamente, entreguista, marcada por privatizações que hoje estão sendo contestadas na Justiça, com fortes indícios de irregularidades.

Quem seria o candidato beneficiado com o "sacrifício" de Heloísa Helena? Para quem ela vai "sublimar" o seu salário, como Jefferson disse que o fez com o seu mandato, ao denunciar o esquema de caixa 2 petista?

"Faz parte da nossa tradição alguém ir para o sacrifício para outros manterem a trincheira da luta", diz Heloísa Helena. Leia-se: Faz parte da canalhice política, alguém ir para o sacrifício a fim de atrapalhar a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva.

Quem é o Deputado Paulo Rangel

Oriundo do movimento sindical e popular, Paulo Rangel (PT) assumiu o mandato de deputado estadual convicto da necessidade de trabalhar de forma participativa, onde as bases possam de direito construir uma sociedade mais justa e igualitária.

Natural do município de Paulo Afonso, Paulo Rangel foi funcionário da Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf) durante 22 anos consecutivos - foi admitido ainda jovem como técnico e chegou a atingir um dos postos mais altos, o de Superintendente, graças ao seu empenho e dedicação.

A área de Agricultura Familiar, o Setor Elétrico, os Serviços Públicos, a Defesa dos Direitos da Mulher e a Revitalização do Rio São Francisco foram definidas como prioritárias em seu mandato (2005-2006).
Filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT) há 23 anos, o deputado ocupou cargos na direção do partido em Paulo Afonso e Sobradinho, participou da fundação do PT nas duas cidades e já foi vice-presidente do PT estadual.


Sua trajetória política teve início no movimento estudantil, passando pelo sindical, inclusive atuando como liderança de pulso no Sindicato dos Eletricitários da Bahia – Sinergia, onde foi presidente. Atuou na Central Única dos Trabalhadores como secretário-geral e foi dirigente da Federação Nacional dos Urbanitários - FNU/CUT.

Nos últimos dois anos foi administrador regional da Chesf, em Paulo Afonso, e esteve à frente do Comitê Estadual do Programa Luz para Todos criado pelo Governo Federal. O programa tem como finalidade expandir o acesso à energia elétrica, contribuir para a diminuição da pobreza, o aumento de renda das famílias rurais e combater a exclusão social.

Rangel foi o primeiro Coordenador Geral do Comitê Gestor do Luz para Todos e acompanhou de perto a implantação do programa nas comunidades mais distantes do interior baiano.

Mesmo após deixar a Coordenação Geral para assumir o mandato na Assembléia Legislativa, Rangel continuou monitorando todas as etapas do programa e fazendo as intervenções necessárias com o objetivo de garantir a justa distribuição da energia elétrica para os povoados mais carentes.

Lideranças ex-carlistas de Caculé juntam-se a Wagner

O número de lideranças políticas ex-carlistas que está apoiando a candidatura de Jaques Wagner ao governo da Bahia pela coligação "A Bahia de Todos Nós" tem crescido a cada dia nas andanças pelo interior do estado.

Terça-feira (25/07), Wagner e o candidato a vice-governador Edmundo Pereira receberam o apoio de dois ex-prefeitos da cidade de Caculé: João Malheiro e Humberto Paulo, além do vereador Salvador Seabra.

A chapa majoritária esteve na região da Serra Geral participando de caminhada em Caculé, sendo saudada pelos comerciantes e pequenos e médios empresários do município, seguido de ato político que contou com a participação do prefeito de Ibiassucê, Neto e do vice-prefito Teté.

O ex-prefeito Humberto Paulo afirmou que "estou de corpo e alma na campanha de Wagner e garanto que com meu apoio e o de dr. João Malheiro ele vai ganhar as eleições". "Mesmo sendo do PFL a vida toda sempre fui discriminado. O pessoal olhou muito para mim no período em que fui prefeito (1982 a 88), depois que outros assumiram é aquela história da banda B, desprestígio. Se o presidente Lula está trabalhando para mudar o país por que não lutarmos para melhorar a Bahia", declarou.

Em seus pronunciamentos, Wagner afirmou que vai ganhar as eleições. Para ele, apoio de lideranças como a de Humberto Paulo, João Malheiro e Salvador Seabra reforçam e motivam ainda mais a caminhada.

"É importante derrotar o PFL baiano por que creio que depois de 16 anos, eles não têm mais nada a oferecer ao povo da Bahia", afirma Wagner.

Á noite Wagner e Edmundo prestigiaram a festa da padroeira de Caetité, Nossa Senhora Santana.

Na cidade de Caiteté Wagner também recebeu o carinho e apoio de familiares do "inesquecível" deputado petista Paulo Jackson. "A saudade do companheiro Paulo Jackson é muita e cada vez que venho em Caitité tenho a certeza que temos que fazer mais, por nós e por ele", disse Wagner.

Assim como em outras regiões do estado, nas cidades da Serra Geral Wagner e Edmundo foram recebidos com muita alegria pela população. O candidato da coligação "A Bahia de Todos Nós" ouviu por várias vezes agradecimento do povo ao governo do presidente Lula pelos programas sociais como Luz Para Todos e o Bolsa Família.

Campo Democrático Fortalecido na Bahia

A candidatura do ex-ministro Jaques Wagner ao Governo do Estado tem como marca principal sua sustentação numa aliança suprapartidária inédita capaz de ampliar as chances de vitória no pleito de outubro.

A vitória de Wagner representará o fim de uma era de 16 anos de carlismo arcaico - período marcado pelo fortalecimento das desigualdades sociais, pela deterioração dos serviços públicos essenciais e pelos abusos de poder.

A coligação “Bahia de Todos Nós”, formada pelos partidos PT, PMDB, PCdoB, PTB, PMN, PSB, PV e PPS, conta com o apoio do Presidente Lula, dos prefeitos da Região Metropolitana de Salvador (Camaçari, Simões Filho, São Sebastião do Passé e Lauro de Freitas), incluindo a adesão declarada do Prefeito de Salvador, João Henrique, e de cerca de 70 prefeitos do interior.

Graças à forte união da oposição em nome de Wagner, a coligação terá um tempo maior na propaganda televisiva: 8 minutos – maior inclusive que o tempo do adversário.

Vale ressaltar que nas eleições 2002, a coligação era formada apenas por quatro partidos e que, desta vez, são dez partidos unidos, entre coligações formais e informais que irão trabalhar juntos para eleger Wagner.

O deputado Paulo Rangel considera que é grande a possibilidade de vitória coligação e ficará ainda mais evidente no decorrer da campanha.

Vale ressaltar que na última eleição só não houve segundo turno por conta de uma diferença pequena de cerca de 2%. Depois de 1986, quando o povo elegeu Waldir Pires governador, essa eleição é a que conta com a maior chance de vitória para o campo democrático e popular representado por uma oposição séria. O grupo oligárquico e coronelista que está no comando não pode se perpetuar no poder”, comentou.

Paulo destaca ainda a importância do apoio do presidente Lula à candidatura do ex-ministro. “O apoio do nosso presidente que, indiscutivelmente vêm realizando um grande trabalho de inclusão social na Bahia com programas essenciais, como o Bolsa Família e o Luz Para Todos, legitima o nome de Jaques Wagner como a melhor opção para o Governo da Bahia”, concluiu.

Desde que assumiu o mandato em janeiro de 2005, Paulo Rangel lidera iniciativa importante para a população do Estado, entre elas, o monitoramento completo do programa federal Luz para Todos, que já beneficiou mais de 400 mil moradores da zona rural.

Foi o responsável pelo encaminhamento de indicação ao governador solicitando a instalação da Delegacia da Mulher em Paulo Afonso (cujo projeto de lei foi aprovado por unanimidade na Assembléia Legislativa em abril último representando uma vitória na luta pelos direitos das mulheres) e atuou como um elo de ligação entre o Legislativo do Estado e lideranças petistas atuantes no interior.

Wagner visita região do Paraguaçu e participa de carreata em Salvador

O candidato ao governo da Bahia, Jaques Wagner, visitou hoje (Sábado) quatro cidades da região do Paraguaçu.

Começou pela cidade de Piritiba, 6º produtor de mandioca do Estado, onde Wagner e o candidato a vice-governador Edmundo Pereira participaram, às 9h, de caminhada na Feira Livre ao lado do prefeito Jorge Menezes (PMDB) e de lideranças políticas.

Depois foi a Baixa Grande, onde aconteceu um ato público em apoio às candidaturas de Wagner e Edmundo, organizado pelo partidos da coligação “A Bahia de Todos Nós”, com a presença do prefeito da cidade Gilvan Rios (PT).

Em seguida, Wagner e sua comitiva se juntaram ao prefeito de Mundo Novo, Raimundo Costa (PMDB), para a realização de um ato político na feira livre da cidade.

O ex-ministro terminou a maratona do sábado na cidade de Tapiramutá, em ato público na Praça Dr. José Neri.

Hoje, a coligação “A Bahia de Todos” realiza a primeira grande carreata pelas ruas da Cidade Baixa, em Salvador. A saída será às 9h do Largo de Roma seguindo pela Avenida Luís Tarquínio, Mont´ Serrat, Bonfim, Baixa do Bonfim, Domingos Rabelo, encerrando no Largo do Papagaio.

Petrobrás investirá US$ 4,8 bilhões na Bahia

A Petrobras vai investir US$ 4,8 bilhões na Bahia, o que representa 6% do total a ser investido no País. O anúncio do Plano de Negócios 2007-2011 foi feito ontem pelo presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli.

Investir na produção de gás natural, para diminuir a dependência do mercado externo, e no desenvolvimento de energias renováveis (biocombustíveis) são algumas das ações previstas.

A necessidade de investir na produção do gás natural no Brasil é uma realidade que ficou evidenciada a partir da situação de crise desencadeada na Bolívia, de onde vem a maior parte do gás consumido no Brasil, quando o presidente Evo Morales anunciou a nacionalização das unidades de produção e refino naquele país, dia 1º de maio. Uma "indenização justa e prévia" pela nacionalização, conforme os termos da lei boliviana, está em discussão.

“Queremos saber o que significa para eles, exatamente, uma indenização justa e prévia”, disse Gabrielli.

Dos investimentos previstos para a Bahia, quase a metade (US$ 2,1 bilhões) será destinada ao desenvolvimento da produção e exploração de petróleo e gás, incluindo o campo de Manati, em Camamu-Almada, no litoral do baixo sul, e descoberta de novos campos exploratórios.

O gasoduto com 11 km de extensão para escoar o gás natural de Manati deverá ficar pronto no final de agosto e a produção deverá começar em setembro, atingindo os 6 milhões de m3/dia a partir de março de 2007.

O Gasene (Gasoduto Sudeste-Nordeste, que tem 940 km de extensão e vai ligar Cacimbas, no Espírito Santo, a Catu, passando por 46 municípios baianos) trará um adicional na oferta de gás, mas nada significativo. O Gasene tem investimento de US$ 1,164 bilhão o trecho que percorre a Bahia é a Perna Norte do gasoduto, uma obra que vai até Cabiúnas, no Rio de Janeiro.

Outros investimentos significativos previstos para a Bahia incluem a construção de uma planta para produção de biodiesel, combustível renovável obtido a partir de óleos vegetais, no município de Candeias, e a injeção de US$ 1,1 bilhão na Refinaria Landulpho Alves (RLAM).

Os objetivos são, principalmente, aperfeiçoar a qualidade dos derivados de petróleo processados na e aumentar a capacidade de refino do óleo pesado, extraído do mar – a RLAM, como grande parte das refinarias brasileiras, tem capacidade maior para o refino do óleo leve, extraído em campos de produção em terra. A RLAM produz 323 mil barris/dia. “A Bahia está recebendo o maior investimento, por parte da Petrobras, nos últimos 20 anos”, disse Gabrielli.

Wagner é bem recebido em Santa Bárbara

A caminhada que o candidato do PT ao governo do Estado, Jaques Wagner, fez ontem no município de Santa Bárbara, a cerca de 150 Km de Salvador, começou de forma tímida, com as pessoas demonstrando um certo receio em participar.

Mas aos poucos, foram aderindo, curiosas em conhecer o candidato que é amigo do presidente.

A explicação dos petistas locais é que a cidade, comandada pelo PFL, tem uma economia fraca, em que a maior fonte de receita da população são os programas Bolsa Família e Agricultura Familiar, do governo federal.

“As pessoas querem ver o amigo de Lula, o presidente que tem proporcionado esses benefícios”, explicou o aposentado José Pereira Lima, 84 anos. “Aqui o PFL não tem mais o mesmo poder”, disse Jaílson Costa (PT), que perdeu as eleições para o atual prefeito, Antônio Alves Mascarenhas (PFL) por apenas 56 votos.

As realizações do governo federal foram razões para convencer os moradores de Santa Bárbara a irem às ruas saudar Wagner e o candidato ao Senado pelo PDT, João Durval.

O que, a princípio parecia ser um fiasco, transformou-se numa ato político que mobilizou a cidade.

Wagner caminhou pelas ruas, cumprimentando as pessoas e prometeu levar ao amigo presidente as reivindicações ouvidas.

28 julho 2006

Sindicalista rural sofre ameaça em Candeal

A sindicalista e trabalhadora rural Maria Bernardete Soares de Sena, de 60 anos, sofreu agressão física e foi ameaçada de morte na última quinta-feira (dia 20) em Candeal, município da região de Serrinha, onde reside.

Ela afirma ser vítima de perseguição política e intimidação há 20 anos, desde que ingressou no Sindicato dos Trabalhadores Rurais do município. Dona Dete, como é conhecida na cidade, é mãe de seis filhos, foi presidente do Sindicato e hoje exerce a função de secretária-geral trabalhando diariamente na entidade.

De acordo com Maria Bernardete, os sindicalistas não são “bem vistos” pela administração pública municipal e por grupos ligados ao Legislativo daquela cidade devido ao trabalho investigativo e fiscalizador que vem conduzindo nos últimos anos. Muitas vezes, são vítimas de repressão e sofrem ameaças num nítido desrespeito a democracia e ao direito constitucional de organização popular.

A agressão praticada contra a sindicalista pelo micro-empresário Fernando Neri, ex-vereador do município e pai do atual vereador Adriano Neri, ocorreu em sua própria loja, no Centro da cidade, diante de uma funcionária que tentou acalmar Neri e apaziguar o conflito. Neri apertou a garganta e ameçou enforcar a trabalhadora rural deixando lesões em seu pescoço após ela questionar qual o motivo que o levou a dizer publicamente que estava à procura de um homem para “tapar sua boca com um murro”.

Além de sufocá-la fortemente, o ex-vereador fez ameaças de morte dizendo: “É sua vida que está em jogo!”. A vítima deu queixa do crime na Delegacia de Polícia de Candeal e está cobrando das autoridades competentes a punição do ex-vereador, conhecida como Donguinha, uma vez que foi vitima de três crimes: lesão corporal, constrangimento ilegal e ameaça – todos tipificados no Código Penal brasileiro.

Ocorre que o ex-vereador é vinculado ao grupo politico dominante na região, que comanda a Prefeitura e a Câmara dos Vereadores. Maria Bernadete faz parte de uma equipe do Sindicato que tentou, nos últimos meses, fiscalizar as contas da Prefeitura, como é de direito de todo cidadão, porém sem êxito. Os únicos documentos disponibilizados foram balancetes genéricos.

Além disso, a sindicalista participa como representante da sociedade civil no Cômite Gestor do PETI – Programa de Erradicação do Trabalho Infantil – aplicado em Candeal e está apurando um suposto desvio de recursos na ordem de R$22 mil do Programa. De acordo com levantamento do Sindicato, a Prefeitura não prestou contas da utilização do fundo no mês de abril e, como consequência, novos repasses foram bloqueado pela Justiça.

As denúncias apuradas pelos sindicalistas sobre o desvio dos recursos do PETI já foram encaminhadas para Coordenação Estadual do Programa na Bahia, ao Pólo Sindical Regional e à ONG MOC – Movimento de Organização Comunitária, com pedidos de providência.

Para o candidato à reeleição deputado Paulo Rangel, que está acompanhando o caso de perto, a atitude do agressor merece o repúdio de todas as entidades baianas que atuam na defesa dos direitos dos trabalhadores rurais e das mulheres.

Rangel afirmou que vai cobrar ainda a apuração das denúncias de omissão na disponibilização dos recursos públicos por parte da Prefeitura Municipal de Candeal. “A agressão contra uma senhora trabalhadora rural é uma covardia cometida por um homem certamente corrupto e desesperado. Ele merece ser punido e a Prefeitura precisa apresentar suas contas para a população com total transparência”, comentou o candidato, que costuma acompanhar a situação dos trabalhadores rurais em diversas regiões do interior.

Infelizmente, fica comprovada mais uma vez, o predomínio da tradição coronelista no interior baiano onde reina a repressão contra aqueles que lutam pela justiça e que "ousam"denunciar irregularidades no Poder Público. Prevalece a imposição do silêncio (à força e, quando não à bala) sobre o grito dos homens justos.

25 julho 2006

Atriz polivalente

Resta alguma dúvida sobre os verdadeiros motivos dessa moça ter saído do PT? Alguma dúvida do porquê o ACM (também na foto) a indicou como uma das que apoiaram o deputado sócio do Juiz Lalau, na quebra do sigilo do painel eletrônico do Congresso?
Na época a atriz se fez de indignada com seu correligionário, assim como hoje chama de quadrilha aos seus amigos, apesar de, como aqui, não sair do lado deles.
Se eles são os bandidos, qual o papel dessa moça nesse filme? Se é o de cavalo de bandido, qual papel reserva para seus eleitores?

21 julho 2006

O PT vai usar a internet para combater a guerra suja

A militância do partido deve usar a internet para fazer campanha para o presidente Lula, candidato à reeleição.

O secretário de Relações Internacionais do PT, Valter Pomar, diz que a utilização das ferramentas disponíveis na internet pode fazer a diferença nas urnas.

Pomar informa que os internautas devem usar durante o processo eleitoral diversas formas para fazer campanha, como mensagens de texto, comunidades em sites de relacionamento, sites e blogs, entre outras ferramentas.

Ele orienta a militância a usar a internet para combater a "guerra suja" que deve ser deflagrada pela oposição para desgastar a imagem do presidente Lula.

"Neste período eleitoral há uma explosão de mensagens e textos com informações falsas, acusações infundadas e por vezes também criminosas, contra os candidatos do PT e, particularmente, contra a candidatura Lula."

Para defender a candidatura de Lula, Pomar orienta a militância a denunciar os ataques para que o PT possa "desconstruir" os ataques.

O PT deve acionar seu departamento jurídico para se defender dos ataques.

"Prevendo estes ataques e também já se precavendo contra a 'guerra suja', a campanha Lula irá acompanhar os sites, blogs e comunidades de relacionamento, fornecendo informações e respondendo às mentiras propagadas. Os e-mails com acusações e difamações também terão respostas", orienta Pomar.

Panfletagem pró-Lula acontece nesta sexta em 21 capitais

As ruas de pelo menos 21 capitais, além de dezenas de outras cidades brasileiras, serão tomadas nesta sexta-feira (21) por milhares de militantes dos movimentos sociais que apóiam a reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Eles distribuirão panfletos à população enumerando algumas das principais conquistas obtidas no atual governo e declarando voto no petista.

A panfletagem é o primeiro de uma série de atos que os movimentos sociais pretendem realizar pelo Brasil nas próximas semanas, todos de apoio à reeleição.

Já estão marcadas sete grandes manifestações, de 19 de agosto a 21 de setembro (veja matéria).
Confira abaixo os locais onde haverá panfletagem nesta sexta. Para mais informações, consulte o diretório do PT em seu Estado, clicando aqui.

20 julho 2006

Ministro Waldir Pires vai à Plenária de Emiliano

O ministro da Defesa, Waldir Pires, confirmou presença na Reunião Plenária de Salvador e Região Metropolitana da campanha de Emiliano José (PT), candidato a deputado federal. A reunião plenária está marcada para sábado, 22 de julho, às 9h, no Teatro Jorge Amado, na Praça Nossa Senhora da Luz, Pituba. Estão também previstas as presenças de Jaques Wagner, candidato ao governo, e João Durval Carneiro, candidato das oposições ao Senado.

Segundo os coordenadores do Comitê Eleitoral Deputado Federal Emiliano – PT, a reunião plenária visa a debater estratégias políticas, táticas eleitorais e propostas concretas para estruturação e desenvolvimento da campanha eleitoral, assim como a inserção ativa nas campanhas de Lula presidente, Wagner Governador e João Durval ao Senado.

Também serão debatidas as ações conjuntas com os candidatos a deputado estadual. Além do número 1331, Emiliano já tem um slogan: deputado federal de luta. Todos os militantes defendem uma radical renovação no Congresso Nacional e acenam com a biografia inatacável do deputado Emiliano.

O Comitê Eleitoral será instalado no Largo de Santana, 03, no Rio Vermelho, bem defronte do Acarajé da Dinha. E Marina Mazzei vai atender pelo telefone 3334 6328, depois de inaugurado. É preciso renovar o Congresso Nacional, eleger parlamentares combativos e fazer o Poder Legislativo se voltar para a real defesa dos interesses maiores do povo brasileiro. E participar das reuniões plenárias dos candidatos é um exercício de cidadania ativa.

Na reunião plenária será apresentado o site de campanha www.emiliano1331.can.br que vai veicular as notícias da campanha eleitoral e também incorporar o conteúdo do site www.emilianojose.com.br que registra as ações do atual mandato parlamentar de Emiliano. Material de campanha impresso já estará à disposição da militância.

18 julho 2006

Wagner recebe novos apoios

O ex-ministro e candidato ao governo do Estado, Jaques Wagner (PT), já conta com alguns trunfos para usar durante a campanha. Sua principal força eleitoral continua sendo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Mas não será o único. Setores ligados tradicionalmente ao chamado carlismo na Bahia têm aderido ao seu nome. Alguns o fazem abertamente, como são os casos dos prefeitos de Simões Filho, Edson Almeida, e São Francisco do Conde, Antonio Pascoal. Outros guardam reservas. Vão apoiá-lo no momento adequado.

Lula, pela sua expressão e prestígio entre os baianos, terá participação especial. Deve retornar ao Estado em agosto para reforçar a candidatura de Wagner e já assegurou aparições na tevê e nas emissoras de rádio nos programas eleitorais gratuitos do seu ex-auxiliar, que começam no dia 15 do próximo mês.

Em visita ontem à Tribuna da Bahia, onde foi recebido pelo diretor Walter Pinheiro, Wagner, que estava acompanhado de assessores, disse que fará uma campanha de propostas.

“Vamos manter o mesmo padrão que adotamos até aqui”, avisou, ao rejeitar o uso de baixarias nos debates e nos confrontos mais diretos com adversários. “Vamos procurar ganhar o voto dos eleitores desinteressados na política”, completou, depois de avaliar que o grupo carlista, ao longo dos anos, tem obtido um percentual de voto estável, oscilando entre 30% a 32%. Hoje, adianta Wagner, “ a gente está dentro de um projeto que se afina politicamente com o plano federal”. Enquanto isso, o projeto do PFL baiano mostra-se cansativo e ultrapassado, avaliou.

Para o ex-ministro, há um clima bastante favorável à sua eleição ao governo. A realidade atual é completamente diferente da realidade de 2002, quando ele chegou a vencer Paulo Souto em Salvador com uma diferença de 220 mil votos, mas perdeu no interior. “Contamos com seis prefeitos só na Região Metropolitana mais São Sebastião do Passé”.

Além disso, a chamada banda B pefelista está deixando o partido para abraçar Wagner. Mais: pela primeira vez o PT terá o apoio do PMDB, PTB e segmentos importantes do PL. “O leque abriu. Estamos caminhando para a formação de um novo quadro político na Bahia”, comemorou. O petista referiu-se ainda à independência do Judiciário baiano, o que torna o pleito mais transparente e menos susceptível a pressões políticas.

Fonte: Jornal Tribuna da Bahia

Wagner recebe o carinho do povo na Romaria da Terra e região de Irecê

O candidato ao governo do Estado pela coligação “A Bahia de Todos Nós”, o ex-ministro Jaques Wagner (PT), acompanhado de sua mulher Fátima Mendonça e do candidato ao Senado pelo PDT, o ex-governador João Durval Carneiro, cumpriram uma extensa agenda de campanha pelo interior do estado.

A primeira parada foi no município de Palmas de Monte Alto onde foram recebidos pelo ex-prefeito da cidade Fernando Laranjeiras (PDT), por deputados, prefeitos e vereadores da região, além de lideranças políticas dos partidos PT e PDT. Jaques Wagner e João Durval participaram de um comício na Praça da Feira, com a presença de mais de 600 pessoas que receberam a comitiva em clima de vitória.

Em seguida, seguiram para Bom Jesus da Lapa. Jaques Wagner e João Durval foram recebidos pelo prefeito da cidade Roberto Maia (PSDB). Juntos seguiram numa longa carreata do Aeroporto até a gruta de Bom Jesus da Lapa para participar da tradicional Romaria da Terra, coordenada pelo bispo Dom Frei Luiz Flávio Cappio, que recepcionou a comitiva.

Antes da cerimônia religiosa, Wagner, João Durval e o prefeito Roberto Maia fizeram uma caminhada pela gruta acompanhados por milhares de religiosos, populares e militantes do Movimento Sem Terra (MST). Não faltaram aplausos, acenos, paradas para abraços e fotografias. O carinho do povo demonstrou que a região Oeste deseja mudança no processo político da Bahia.

À noite, Jaques Wagner e João Durval participaram de atividades na região de Irecê. Acompanhados pelos prefeitos Joaci Dourado de Irecê e Leo Santana de Central, deputados, vereadores e lideranças políticas inauguram o comitê da chapa majoritária da coligação “A Bahia de Todos Nós”, na cidade de Lapão.

Wagner e João Durval terminaram a maratona do sábado na cidade de São Gabriel prestigiando a XVI Cantoria de São Gabriel, um dos maiores eventos de cultura alternativa do Brasil realizado em praça pública.

No domingo pela manhã (16.7), Jaques Wagner participou da inauguração do comitê do deputado federal e candidato à reeleição, Luis Alberto (PT), na sede do Ilê Aiyê, no Curuzu.

Zé das Virgens participa da XVI Cantoria de São Gabriel

A cidade de São Gabriel foi palco de um dos maiores eventos de cultura alternativa do Brasil. O evento resgata as expressões culturais nordestinas. A 16ª edição da Cantoria de São Gabriel aconteceu entre os dias 14 e 16 de julho com a presença de nomes consagrados, entre eles o cantor e compositor pernambucano Geraldo Azevedo.

A XVI Cantoria de São Gabriel reuniu, mais uma vez, atrações nacionais e artistas da região. Dentre outros, os músicos Geraldo Azevedo, Reginaldo Manso e os Querubins de São Gabriel, Welton Gabriel, RABERUAN, Sacha Arcanjo, Adalto Bento Leal, Raimundo Sodré, Matingueiros, Miltinho Edilberto, Onildo Barbosa, Quarteto do Choro(Barreiras), Coral Meninos da Chapada ( Jussara/Cafarnaum) e Coral Da Uneb.

Para o deputado estadual Zé das Virgens, um dos fundadores da Cantoria de São Gabriel, “o evento é de grande importância no cenário nacional, ou seja, engloba o que há de melhor em termos de música, poesia, artes plásticas e outras expressões artísticas não só da região, mas de todo o País”.

Além da música de alta qualidade, as pessoas assistiram apresentações de repentistas, grupos de cultura popular e participaram de oficinas (grafitagem, malabares e de instrumentos musicais).

Emiliano dispara sua campanha eleitoral

Candidato a deputado federal, Emiliano disparou sua campanha. Está convocando uma Reunião Plenária de Salvador e Região Metropolitana para o dia 22 de julho, sábado, das 8h às 14h, no Teatro Jorge Amado, Praça da Pituba.

O Teatro Jorge Amado, do curso UEC, tem entradas pela rua Manoel Dias da Silva e pela rua São Paulo. Já o Comitê vai funcionar no Largo de Santana, Rio Vermelho, defronte do Acarajé da Dinha.

Todos os convidados defendem uma radical renovação no Congresso Nacional e acenam com a biografia inatacável do deputado Emiliano.

Segundo os coordenadores do Comitê Eleitoral Deputado Federal Emiliano – PT, a reunião plenária visa a debater estratégias políticas, táticas eleitorais e propostas concretas para estruturação e desenvolvimento da campanha eleitoral, assim como a inserção ativa nas campanhas de Lula presidente, Wagner Governador e João Durval Senador. Também serão debatidas as ações conjuntas com os candidatos a deputado estadual. Além do número 1331, Emiliano já tem um slogan: Um deputado de luta.

O Comitê Eleitoral será instalado no Largo de Santana, 68, no Rio Vermelho, bem defronte do Acarajé da Dinha. E Marina Mazzei vai atender pelo telefone 3334 6328, depois de inaugurado.

É preciso renovar o Congresso Nacional, eleger parlamentares combativos e fazer o Poder Legislativo se voltar para a real defesa dos interesses maiores do povo brasileiro. E participar das reuniões plenárias dos candidatos é um exercício de cidadania ativa.

Subúrbio ferroviário discute cotas e inclusão social

O deputado Paulo Rangel (PT) esteve reunido no último dia 06 (quinta-feira) com a comunidade do Subúrbio Ferroviário num encontro organizado pelo Movimento de Cultura Popular do Subúrbio.

O evento contou com a presença de professores da rede pública, estudantes universitários, capoeiristas, artistas, músicos e coordenadores de grupos teatrais, entre outros agentes culturais atuantes no bairro.

Rangel foi convidado pelo Movimento para apresentar aos moradores os principais projetos concretizados ao longo de seu mandato e o plano de trabalho para os próximos quatro anos – em especial, suas propostas para a população suburbana de Salvador.

Rangel deixou claro que tem como metas contribuir para o fortalecimento dos movimentos reivindicatórios populares, estimular o potencial cultural da juventude da periferia e trabalhar pela melhoria das escolas da rede pública estadual. Explicou que seu objetivo principal será assegurar a inclusão dos jovens de baixa renda no ensino de qualidade e que irá batalhar para garantir sua dignidade como cidadãos de direitos.

Destacou a grande importância dos investimentos recentes do governo federal no ensino superior baiano, entre eles, a criação da Universidade Federal do Recôncavo Baiano - com campi em quatro municípios; a implantação da Universidade Federal do Vale do São Francisco - com unidades em Petrolina e Juazeiro - e os novos campi da UFBa em Vitória da Conquista e Barreiras. Tais investimentos resultaram no surgimento de cerca de 13 mil novas vagas em graduação no Estado melhorando substancialmente o setor.

A atual polêmica sobre cotas para a população afrodescendente nas universidades públicas também foi debatida no encontro com Rangel. Como parlamentar favorável a política de cotas, cujo projeto de lei aguarda votação no plenário da Câmara dos Deputados, Rangel defendeu sua posição com argumentos sólidos.

“A cota é uma ferramenta capaz de promover inclusão da população negra e excluída dos serviços básicos e essenciais. Em Salvador, onde cerca de 80% da população é negra, um sistema de cotas poderá ajudar a diminuir o fosso enorme que separa a maioria negra, pobre e excluída da minoria branca, incluída e detentora de poder. As cotas, na minha opinião, acima de qualquer debate étnico, significam justiça social”.

Explicou ainda que a geografia social de Salvador é, na realidade, uma geografia racial histórica tradicionalmente marcada pela divisão entre brancos incluídos e negros excluídos e que, a luta por igualdade deve ser uma luta de todos os cidadãos. Ainda neste mês, Paulo Rangel irá visitar outros bairros populares da Capital para discutir assuntos de interesse coletivo de forma democrática e participativa.

17 julho 2006

Lula tem um carinho muito grande pela Bahia

Lula tem um carinho muito grande pela Bahia, tem respondido essa empatia que os baianos têm por ele.

Na Bahia, o presidente teve sua segunda maior votação nacional, proporcionalmente. Construiu uma relação muito forte com Jaques Wagner, o nosso candidato a governador. Daí a presença de Lula nos grandes estados, Bahia, São Paulo e Rio Grande do Sul, onde nós estamos com uma presença mais efetiva e aqui o embate vai ser bom.

Então, Lula é respaldado pelo que fez, não só pelo seu carisma que é enorme, porque ele fala a linguagem do povo. Então nós temos tudo para ganhar essa eleição.

Deputado Zezéu Ribeiro em entrevista ao Jornal Tribuna da Bahia

Justiça suspende bloqueio de bens do ex-prefeito de Piatã

A justiça baiana suspendeu o bloqueio dos bens do ex-prefeito do município de Piatã, Jaime de Oliveira Rosa (PRTB), acusado de não prestar contas de convênios firmados com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa).

A liminar que determinava o bloqueio em até R$ 291 mil do patrimônio do gestor havia sido concedida pela vara única da comarca, em resposta à ação movida pelo Ministério Público do Estado da Bahia.

A relatora do pedido de suspensão, a desembargadora Silvia Zarif, avalia que “o bloqueio dos bens foi feito sem manifestação prévia do requerido, ferindo os princípios do contraditório, da ampla defesa e, em última análise, do devido processo legal”.

O ex-prefeito afirma que os recursos do convênio foram devidamente utilizados para compra de ambulância e melhorias sanitárias domiciliares. No entanto, não explica o motivo da ausência na prestação de contas.

15 julho 2006

Movimento Negro faz ato em defesa das cotas em Salvador

Cerca de 300 pessoas do movimento negro de vários Estados do país fizeram um ato em defesa das cotas raciais nas universidades brasileiras, durante a 2ª Conferência de Intelectuais da África e da Diáspora.

Com o slogan “Contra as cotas, só racista”, eles entraram no auditório onde estava em andamento a última das mesas de debate da conferência. O público aplaudiu em pé a manifestação.

Eles também fizeram a leitura de um documento elaborado por representantes do movimento negro, em que pedem a aprovação da lei nacional de cotas raciais para universidades e do Estatuto da Igualdade Racial.

O documento sugere a criação do Dia Nacional em Defesa das Cotas Raciais, a ser celebrado no dia 18 de agosto.

Pouco antes da manifestação, a cantora Leci Brandão, que participava da mesa de debates a convite do ministro da Cultura, Gilberto Gil, já havia feito um apelo ao ministro para que procurasse agilizar junto ao Congresso Nacional a lei de cotas.

Hoje, algumas universidades do país já adotam a política de cotas para negros, mas não há uma determinação federal obrigando a reserva de vagas.

14 julho 2006

2006 será diferente

Desde 2002 as coisas mudaram. Em 2002 Wagner saiu com 2% e chegou a 38,3%, com apenas 7 prefeitos, 2 minutos de TV e uma aliança política restrita.

Agora, Wagner parte com 70 prefeitos, dos quais 7 da Grande Salvador, onde está um terço do eleitorado.

Wagner tem 9 minutos de TV, 30% a mais que o PFL.

Construiu uma coligação só comparável com a coligação que elegeu Waldir Pires em 1986, com 1 milhão e 500 mil votos de frente.

Conta com o apoio de João Henrique, que foi eleito com 800 mil votos de frente.

Mesmo em 2002 Wagner obteve uma frente de 243 mil votos na região metropolitana e uma frente de 223 mil votos em Salvador.

As coisas mudaram. Agora Wagner é o favorito, com apoio de Lula e com respaldo dos fortes investimentos do governo federal na Bahia.

Lula e a Bacia do São Francisco

É tanta a presença do Governo Lula na Bacia do São Francisco que não está mais havendo espaço para a propaganda enganosa do governo Paulo Souto.

O governo federal discute a gestão dos recursos com os pescadores do São Francisco e já investiu R$1 milhão e 500 mil somente em ações voltadas para a pesca. Este ano estão previstos investimentos de mais R$ 1,5 milhão.

Os pescadores estão sendo recadastrados, recebem crédito do Pronaf, o programa de alfabetização Pescando Letras atinge três mil deles e 180 mil pescadores recebem um benefício de R$ 350 como Seguro Defeso, que garante a sobrevivência na época em que a pesca é proibida por causa da reprodução.

O Governo Lula também trabalha para o repovoamento do rio e a revitalização da bacia, com a retirada dos esgotos das cidades ribeirinhas.

Fraudes no Bolsa Família

O deputado Emiliano José (PT) afirmou que é imprescindível o trabalho da imprensa na denúncia de todas as irregularidades que possam ocorrer no programa Bolsa Família.

O Correio Braziliense, por exemplo, encontrou falhas apontadas pela reportagem.

O Ministério do Desenvolvimento Social acaba de encontrar 50 mil casos suspeitos de recebimento duplo.

Tem prefeituras que cadastram duas vezes seus eleitores. É a turma do PFL confiante na impunidade.

09 julho 2006

PT registra candidatura e limita gastos em R$12 milhões

O Partido dos Trabalhadores registrou nesta quarta-feira (05.07), a candidatura do ex-ministro Jaques Wagner ao governo da Bahia pela coligação “Bahia de Todos Nós” formada pelos partidos PT, PMDB, PCdoB, PSB, PTB, PMN, PV e PPS.

Wagner chegou no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), por volta das 18h, acompanhado do candidato a vice Edmundo Pereira (PMDB), de deputados e presidentes dos partidos da coligação. Após assinar o requerimento, o candidato conversou com os jornalistas.

A campanha petista terá um teto de R$ 12 milhões para limite de gastos. Um número bem acima do que o partido espera desprender. “Esse é o limite. Não quer dizer que vai gastar”, observa Jaques Wagner.

Wagner acredita que a não existência de brindes e de showmícios vai permitir uma campanha mais enxuta. Para ele as novas regras do TSE são muito bem vindas. “Se a campanha ficar no debate de idéias é muito melhor do que se ficar em um debate de cofres”.

Com relação à coligação “Bahia de Todos Nós”, Jaques Wagner disse estar satisfeito com as alianças feitas em torno de sua candidatura. “Creio na maturidade das oposições na Bahia. Estamos iniciando uma caminhada vitoriosa”. Desde 1986 as oposições na Bahia não conseguiam uma aliança tão ampla.

Nesta quinta-feira, primeiro dia oficial da campanha eleitoral, Jaques Wagner irá a Brasília onde cumpre roteiro de conversas com alguns ministros e com o Presidente Lula.

Na sexta-feira, de volta à Bahia, Wagner começa a preparar os programas da Propaganda Eleitoral gratuita no rádio e na televisão.

Lula vai reforçar agricultura familiar

Lula sancionará nos próximos dias a lei que estabelece as diretrizes nacionais para a agricultura familiar. Em tramitação no Congresso desde 2004, a lei reconhecerá a agricultura familiar como categoria organizada e transforma o programa nacional de fortalecimento do segmento, o Pronaf, em política pública de Estado.

O Pronaf, criado em 1995, era regulamentado anualmente pelo Conselho Monetário Nacional e pelo Banco Central. Elaborado por 12 deputados, em sua maioria do PT, o projeto estabelece requisitos para definir quem são os agricultores familiares.

Conforme os deputados autores do projeto, o agricultor familiar que agrega qualquer valor à sua produção, como no caso da produção do açúcar mascavo, de doces ou de outros produtos artesanais, por exemplo, passa a ser enquadrado pelo INSS como empregador rural.

A exposição de motivos da proposta informa que há 4,2 milhões de famílias de agricultores familiares, que representam 84% dos estabelecimentos rurais, e que não têm uma legislação "capaz de garantir políticas de regulamentação, fomento e incentivo à atividade".

Na justificativa do projeto, os autores argumentaram que "a maioria dos alimentos da mesa dos brasileiros vêm da agricultura familiar, que produz 84% da mandioca, 67% do feijão, 58% dos suínos, 54% da bovinocultura do leite, 49% do milho, 40% das aves e ovos e 32% da soja, entre outros".

Com sete artigos, a nova lei dá condições para comprovação do exercício da atividade rural de trabalhadores do setor. Permite ainda a criação de um regime previdenciário específico para a categoria de agricultores familiares.

Marcelino comenta editorial do Jornal A Tarde

Em nome da Executiva Estadual do PT, cumprimento A TARDE pelo editorial do dia 04/07 ("Medida salutar"), mesmo sem concordar integralmente com o texto.

De fato, vimos empreendendo diversas iniciativas para sanear as finanças do nosso partido, enquanto nos preparamos para a batalha eleitoral. Sem muitos recursos, como nos velhos tempos do PT.

Com muita garra e fé na utopia que sempre nos animou, como nos melhores tempos do PT. Buscando financiar nossa ação política pela via da contribuição voluntária da nossa militância, como vimos fazendo desde a fundação do PT.

Convém ressaltar, no entanto, que os métodos condenáveis de captação de recursos não foram uma escolha do nosso partido, mas uma opção absurdamente equivocada de uns poucos dirigentes.

Em respeito aos mais de 860 mil trabalhadoreas e trabalhadores brasileiros que constituem o maior partido de esquerda da América Latina, é preciso fazer essa distinção. Sempre nos opusemos a tais métodos enquanto fomos militantes de base.

Hoje, no exercício da direção partidária e na condição de coordenador da campanha da nossa coligação, trabalhamos diuturnamente pela reestruturação do PT. É o melhor que podemos fazer por um partido que, muito mais que uma legenda, é uma prova incontestável da democracia construída a duras penas pelo povo brasileiro.

Marcelino Galo - Presidente do PT/Bahia
06/07/2006

07 julho 2006

Prefeitos e Vices realizam ato de apoio a Wagner

SALVADOR (6.07) - Os prefeitos da Região Metropolitana realizam neste sábado, dia 8, no Salão Íris do Fiesta Bahia Hotel, às 11h, um ato político de apoio à candidatura do ex-ministro Jaques Wagner (PT) ao governo do Estado e Edmundo Pereira (PMDB) a vice.

Estarão presentes, entre outros, o prefeito de Salvador João Henrique, a prefeita de Lauro de Freitas Moema Gramacho, o prefeito de Camaçari Luís Caetano, o prefeito de Simões Filho Edson Almeida, a prefeita de São Sebastião do Passé Tânia Portugal, além de lideranças de oposição de Candeais, secretários municipais, vereadores, deputados, presidentes dos partidos e candidatos da coligação “Bahia de Todos Nós” - PT, PMDB, PCdoB, PMN, PPS, PSB, PTB e PV.

EVENTO: ato político prefeitos da Região Metropolitana de Salvador

DATA: 8 de julho (sábado)
HORA: 11h
LOCAL: Fiesta Bahia Hotel - Salão Íris – Pituba

06 julho 2006

Lula prioriza campanha na Bahia para derrotar ACM

Foto: Ricardo Stuckert
A Bahia tornou-se uma das prioridades de Lula no processo de reeleição.

Lula atribui à Bahia uma importância quase tão grande quanto a de São Paulo, pela relevância que representaria, politicamente, a imposição de uma derrota ao senador ACM.

Na esfera estadual, Jaques Wagner, o candidato de Lula, repete o embate que travou na eleição de quatro anos atrás. Disputa o governo baiano com Paulo Ganem (PFL), do grupo de ACM.

Em 2002, Souto (53,7% dos votos) contra (38,5%) de Wagner, o que tende a se inverter em 2006.

Apesar de ainda não ter definido o roteiro de viagens, o presidente incluiu a Bahia entre os estados a serem visitados. Participará também de gravações dos programa eleitoral de TV do candidato ao governo estadual Jacques Wagner.

Wagner entra na disputa deste ano em condições bem mais confortáveis do que as de 2002. A começar pela aliança política que dá suporte à sua candidatura.

Em 2002 a aliança era quase a mesma de hoje, porém agora, Wagner que derrotou fragorosamente Souto em Salvador, vê o seu nome se firmando no interior e o rompimento dos currais que sempre garantiram a manutenção do coronelismo baiano chefiado pelo senador.

A atual aliança de Wagner, é a mesma que em 2004 elegeu João Henrique (PDT) prefeito de Salvador.

Em 2002, Wagner contava com o apoio de sete prefeitos baianos. Hoje, contabiliza 70.

A aliança formal em torno de Jaques Wagner tem além do PT, o PMDB, PSB, PCdoB, PTB e o PMN. Seu vice, Edmundo Pereira, é (PMDB)

A informal tem o PDT e o PSDB, que concorrem sem candidato a governador, cada um com um candidato a senador, o ex-governador João Durval (PDT) e o ex-prefeito de Salvador Antônio Imbassahy (PSDB).

Em suas idas ao interior, ACM tem batido pesado em Lula e tratado Wagner, como a pessoa que criou a CUT e o PT na Bahia, a pedido de Lula.

Fonte: Vereador Eudes Paiva

Lula visa embate histórico na Bahia contra ACM

A Bahia é prioridade na agenda de Lula.

O Estado representa para o presidente, o seu alvo principal nesta campanha, com importância política destacada pela presença de seu maior adversário político no Nordeste: o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA). O pefelista, em qualquer oportunidade pública, tem usado palavras de baixo calão, como é seu costume, ao se referir ao Presidente Lula, seja qual for a platéia.

O prestígio eleitoral de Lula no Estado é inconteste, segundo as pesquisas que o colocam com cerca de 60% das intenções de votos.

Patamar semelhante teve o petista no segundo turno das eleições de 2002, quanto obteve na Bahia 65,7% dos votos, ou quase o dobro da votação do adversário na época, o tucano José Serra (34,3%).

Os números animam o petista a priorizar a campanha do ex-ministro Jaques Wagner, candidato ao governo estadual. Wagner disputa o governo baiano com Paulo Souto (PFL), do grupo de ACM.

Lula acredita que Wagner tem condições mais favoráveis este ano do que em 2002. Nesta campanha, Wagner segue embalado pela aliança que reuniu todos os partidos contrários ao PFL baiano. Além do PT e do PCdoB, o PMDB, o PSB, o PTB e o PMN integram a Coligação "Bahia de Todos Nós".

05 julho 2006

Samuel Celestino comenta campanha de Emiliano

Samuel Celestino, articulista político do jornal A Tarde e da TV Itapoan/Rede Record na Bahia, assina texto premonitório nesta terça-feira, 4 de junho. Ele avalia que o Congresso Nacional, com grande maioria maculada por um emaranhado de suspeitas e investigações, deverá sofrer grande renovação em outubro. Na mesma coluna, na última nota intitulada “Ameaça”, comenta a candidatura de Emiliano José (PT) para deputado federal, com apoio declarado do ministro Waldir Pires. Aproveitou para registrar a passagem de Waldir Pires e Emiliano por Amargosa, onde foram inaugurar a Praça Iolanda Pires, e também a participação de Emiliano numa audiência pública em Guanambi, onde o deputado criticou o Senado por fazer corpo mole na aprovação do Fundeb.

LEIA A NOTA NA ÍNTEGRA:

Ameaça
O deputado Emiliano José, que presidiu por curto e tumultuado período o PT baiano, está De saída da Assembléia Legislativa e tenta se fixar em Brasília, na Câmara Federal. O deputado, também jornalista, ingressou com nada mais nada menos que 32 processos no Judiciário contra adversários políticos e é apoiado abertamente pelo ministro Waldir Pires, que tem participado de suas reuniões plenárias (Waldir, aliás, na Convenção do partido pronunciou um discurso com forte teor político e, principalmente, emocional). Com ele o parlamentar viajou no sábado para Amargosa, onde inaugurou a Praça Iolanda Pires. Evitou aparecer em público, por força da legislação eleitoral, mas, em Guanambi, no dia de São Pedro, em plena Audiência Pública com o diretor-geral do Fundef, Paulo Egon, disparou bateria pesada contra o Senado Federal que, segundo ele, faz corpo mole na aprovação do FUNDEB “e ameaça o país com um vazio institucional na área da educação”.

PROCESSOS NA JUSTIÇA
Os 32 processos contra adversários políticos, a que se refere Samuel Celestino, são contra o Correio da Bahia e seu redator-chefe, Demóstenes Teixeira, condenados a pagar mil salários mínimos ao parlamentar do PT, como reparação por danos morais, diante de calúnias e injúrias veiculadas nas páginas do jornal da família ACM. Os processos do deputado Emiliano são também contra o Estado da Bahia, o governador Paulo Souto, o deputado Tarcísio Pimenta (PFL) e o Procurador Geral do Estado, Raimundo Viana. Só no Pleno do Tribunal de Justiça correm sete queixas-crime da autoria do deputado Emiliano José contra essa gente.

Há também seis representações no Ministério Público, 17 ações nas varas cíveis, 13 queixas-crime nas varas crime e diversas ações populares na 17ª e na 8ª Varas da Fazenda Pública. Mas há também ações contra o deputado. Uma delas, do governador Paulo Souto, faz malabarismos para processar o parlamentar por ter ele assinado representação ao Ministério Público, pedindo apuração de irregularidades no pagamento da dívida pública da Bahia – uma prerrogativa constitucional parlamentar.

CANDIDATURA CONFIRMADA
Desde a Convenção partidária do PT – que lhe deu o número 13 31 - Emiliano é oficialmente candidato a deputado federal. Sua campanha recentemente recebeu inesperada ajuda do senador ACM, que alimentou com o parlamentar uma desaforada troca de faxes, com espaço na mídia e na Internet. Emiliano José acusou o publicitário Fernando Barros, dono da agência de publicidade baiana Propeg, de ser o testa de ferro de Antonio Carlos Magalhães em pelo menos dois grandes negócios.

Além de sócio proprietário do Terminal Portuário de Cotegipe (TPC) na Base Naval de Aratu (dentro da Baía de Todos os Santos), um negócio bilionário, o publicitário Fernando Barros, também dono da C. Port Porto Cotegipe, tornou-se o operador do porto Ponta da Laje, que vem a ser nada menos que o porto da Ford, que tem R$ 24 milhões de investimento do Governo da Bahia e exporta os carros da multinacional plantada em Camaçari. Barros é também há anos o controlador das contas publicitárias dos governantes baianos vinculados ao senador ACM.

LEIA OS FAXES DE EMILIANO E ACM

Fonte: http://www.emilianojose.com.br

03 julho 2006

Prefeito tucano causa prejuízo de 2 milhões em Barreiras

O promotor de Justiça Wilson Figueiredo propôs uma ação civil pública nesta sexta-feira, 30, contra o prefeito de Barreiras Saulo Pedrosa (PSDB); o secretário de administração e finanças José Roberto Batista; a servidora pública municipal Carmélia Carvalho e seu filho, o ex-servidor municipal Onildo Carvalho; por atos de improbidade administrativa (práticas irregulares cometidas por servidores públicos).

Entre as denúncias, estão desvios de verbas e irregularidades nos contratos municipais e licitações públicas. Segundo o Ministério Público do Estado da Bahia, o prejuízo no município já chega a R$ 2 milhões, por irregularidades praticadas apenas no ano de 2005.

Onildo e Carmélia, que é coordenadora do Credibahia, serão processados por improbidade administrativa com enriquecimento ilícito e o prefeito Saulo Pedrosa (PSDB) e o secretário José Roberto foram acionados pelo Ministério Público por dispensar e frustrar indevidamente os processos de licitação na Prefeitura Muncipal.

02 julho 2006

João Durval declara apoio a Wagner

João Durval declarou que apoiará a candidatura do ex-ministro ao governo do Estado. “Vai haver uma aliança informal. Eu apoio Jaques Wagner e ele apóia a mim para o Senado da República”, disse o ex-governador.

O partido desistiu de lançar candidato ao Senado e apoiará, informalmente, a candidatura do ex-governador João Durval (PDT). ”A nossa coligação não lança a chapa ao Senado na medida em que a verticalização impede essa aliança formal. A nossa aliança portanto é uma aliança que garante candidato a governador e vice, e ao deixar em aberto a vaga de senador evidentemente está apontando para um apoio informal, no limite da lei, ao ex-governador João Durval”, explicou Wagner.

Wagner avalia a coligação do PT como uma grande vitória e maturidade do bloco de Oposição no Estado. “O foco principal começa com a composição dessa grande aliança. Eu sei que a Bahia nunca viu isto, o que demonstra maturidade das oposições, que sabem que depois de 16 anos de governo PFL, está precisando uma renovação política, é preciso outra concepção de exercício do poder político. É preciso inverter as prioridades da Bahia e que o Estado retome no cenário nacional a posição que lhe cabe. E isto só será possível a partir de uma sintonia, de uma aliança e de uma parceria com o governo federal, com o governo do presidente Lula”.

Quanto ao PT, o ex-ministro não acredita que os últimos escândalos do Congresso Nacional prejudicarão sua candidatura, nem os candidatos do partido no Estado. “Na minha opinião isso já está absolvido. A população quer a punição, quer a apuração de tudo, mas ela sabe que não se condena um partido pelo erro e comportamento de alguns. No meu caso particular, estou muito à vontade porque estava ao lado do presidente Lula exatamente nos momentos mais duros de ataque da Oposição, e graças a Deus sai dessa tarefa incólume. Então, tenho certeza que a avaliação principal será as realizações do governo federal, que aqui na Bahia são muitas”.

PT lança 49 candidatos a deputado estadual e 22 a federal

O PT confirmou ontem (30), durante a convenção, a candidatura de Jaques Wagner ao governo do Estado e o ex-prefeito de Brumado, Edmundo Pereira Santos (PMDB), como vice.

Além do PT, a coligação “Uma Bahia de todos nós” é formada pelos partidos PMDB, PCdoB, PTB, PSB e PMN na majoritária.

Na proporcional teremos duas. A primeira será PMDB e PSB e a outra o PT, PCdoB, PTB e PMN.

Serão 126 candidatos a deputado estadual e 78 a deputado federal. O PT terá ainda o apoio informal do PV, PPS, PDT e parte do PSDB.

A convenção contou com as presenças dos ministros Waldir Pires (Defesa), Paulo Sérgio Passos (Transporte) e Orlando Silva (Esportes). Durante a coletiva, o ministro baiano leu uma carta do presidente Lula dirigida ao povo baiano em apoio à candidatura de Jaques Wagner.

O prefeito João Henrique e o ex-governador João Durval também apareceram na convenção do PT, logo depois do PDT homologar a candidatura de Durval ao Senado, sem lançar candidatos ao governo.

“Depois de tudo que o presidente Lula e o ministro Jaques Wagner fizeram pela nossa cidade, nada mais justo do que retribuir e apoiar Wagner ao governo. É com muito orgulho que apoio esta candidatura”, declarou o prefeito, que em discurso afirmou que havia firmado um contrato para receber, dentro de 18 meses, todos os trens de Salvador.

“A obra física graças ao ministro Jaques Wagner, já está em curso. Quem vai da Rótula do Abacaxi até o Campo da Pólvora pode ver que esta obra, que ficou parada durante tantos anos, acabou sendo retomada pelo entrosamento político da prefeitura de Salvador com o governo do presidente Lula”, discursou João Henrique, ressaltando a importância do ex-ministro Jaques Wagner e do ministro Waldir Pires para conseguir implantar na cidade o Samu.

Wagner quer novo modelo para a Bahia e condena críticos do PT

Jaques Wagner defendeu, ontem, um novo modelo político-administrativo para a Bahia, que priorize as ações voltadas para o social, além da descentralização das atividades do Estado.

Wagner recebeu como ironia a revelação do senador Antonio Carlos Magalhães de que o tom da campanha política do PFL seria centrado nos escândalos de corrupção envolvendo o governo federal.

Tais práticas (corrupção e escândalos) ele atribuiu a ACM, ontem, durante coletiva à imprensa, antes de subir ao palanque na Convenção do PT - realizada no Bahia Café (Paralela).

Segundo Wagner, sua campanha será dirigida aos baianos, positiva e afirmante, apresentando suas propostas de governo. “Eu creio que aqueles que nos atacam, particularmente, aqui no caso da Bahia, sinceramente não têm história, não têm autoridade para fazê-lo. De qualquer forma, eu faço política apresentando propostas à população. Eu não vou me meter a responder xingamentos ou ofensas. Eu creio que a população já esclareceu, afinal de contas tem um ano que esse tema está na mídia e a mim preocupa muito mais mostrar à Bahia que o Estado pode ser depois de 16 anos de governo PFL”, completou.