25 setembro 2010

Pinheiro e Lídice assumem a dianteira na corrida para o Senado

Walter Pinheiro e Lídice da Mata lideram a corrida para o Senado no estado, de acordo com a pesquisa Ibope/TV Bahia divulgada na noite desta sexta-feira (24), na qual aparecem com 35% e 32% das intenções de voto, respectivamente, contra 29% do terceiro colocado.

O resultado confirma a tendência do crescimento dos dois candidatos da coligação "Pra Bahia Seguir em Frente", desde o início da campanha, enquanto o concorrente mais próximo primeiro estacionou e depois começou a cair.

"A pesquisa reflete o que a gente vê nas ruas. Há algumas semanas venho avisando que nossos candidatos tomariam a dianteira. A tendência é a de que Lídice e Pinheiro se distanciem ainda mais dos outros adversários. O resultado só motiva nossa militância é continuar trabalhando, não vamos botar sapatos altos. A reta final é hora de bater de porta em porta, fazer muito corpo a corpo para convencer cada vez mais pessoas a caminharem conosco para a Bahia seguir em frente", afirmou Luiz Caetano, coordenador político da coligação.

Caetano considera ainda que o momento favorável deve servir também para angariar mais votos para os candidatos à Câmara Federal e Assembléia Legislativa das chapas que congregam os partidos PT, PP, PSB, PDT, PC do B, PRB, PSL e PHS.

Wagner vai a 52% no Ibope/TV Bahia e aumenta a vantagem para vitória no 1º turno

O governador e candidato à reeleição, Jaques Wagner, ampliou para 37 pontos percentuais a diferença para os dois candidatos empatados em segundo lugar, e seria reeleito no primeiro turno se as eleições fossem hoje, segundo pesquisa Ibope/TV Bahia, divulgada na noite desta sexta-feira (24). Wagner subiu a 52% das intenções de voto, seguido por Paulo Souto e Geddel Vieira Lima, empatados com 15%.

Além de subir seis pontos percentuais desde o início de agosto, Wagner tem a menor rejeição entre os sete concorrentes, com 16%, o que é um indicativo que ainda pode crescer mais, por conta dos índices de aprovação do governo e de indecisos. Já Paulo Souto, que vem caindo no mesmo período, aumentou o índice de rejeição, chegando à casa dos 31%, a maior entre os candidatos. Ainda quanto à rejeição, Bassuma aparece com (23%), Carlos Nascimento (20%) e Geddel (19%).

Os demais candidatos que pontuaram na intenção de votos foram Bassuma com 2% e Professor Carlos, que tem (1%). Marcos Mendes e Sandro Santa Bárbara não pontuaram.

A pesquisa ouviu dos eleitores a opinião sobre a administração Wagner: 15% disseram que a gestão é ótima, 38% a consideram boa, 29% regular, 5% ruim e 8% péssima. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral sob o número 41452\2010 e realizada entre os dias 21 e 23 de setembro, com 1,5 mil entrevistados. A margem de erro é de três pontos para mais ou para menos.

A onda vermelha, pela IstoÉ

De cima a baixo no País, o eleitor apoia a continuidade e tende a garantir uma quase inédita maioria governista no Congresso. Eleitores de todas as classes sociais mostram desejo de continuidade

Na esteira da candidatura de Dilma Rousseff à Presidência, uma onda vermelha está tomando conta do País. No início da corrida eleitoral, essa imagem foi cunhada pelos estrategistas da campanha do PT para motivar a militância. Mas, agora, tornou-se realidade. As pesquisas de opinião revelam a supremacia dos candidatos governistas na maioria dos Estados, o que poderá garantir a um eventual governo Dilma ampla maioria na Câmara e no Senado. Surfando numa maré mais favorável do que aquela que levou o ex-metalúrgico Lula ao Palácio do Planalto em 2002, os candidatos da base aliada aos governos estaduais lideram as eleições em 19 das 27 unidades da Federação. Na disputa pelas cadeiras do Senado, a onda vermelha é tão volumosa que deverá eleger 58 dos 81 representantes e deixar sem mandato quadros históricos da oposição. Na Câmara, os partidos governistas devem conquistar 401 dos 513 assentos.
“Acho que vamos assistir a uma vitória esmagadora dos partidos da coalizão do governo”, prevê o presidente do Instituto Brasileiro de Pesquisa Social, Geraldo Monteiro.


MAIORIA
Sólido apoio no Congresso pode facilitar a aprovação das reformas estruturais de que o País necessita
Não bastasse a liderança em 21 Estados, Dilma está na frente de José Serra (PSDB) em locais em que Lula foi derrotado pela oposição em 2006. Apesar da oscilação registrada na última semana, a ex-ministra está perto da vitória em antigos redutos oposicionistas como São Paulo, Santa Catarina e Paraná. Na maioria dos Estados em que ela lidera as pesquisas, os candidatos que apoia também estão na dianteira. Bons exemplos são o Rio de Janeiro e a Bahia, onde os governadores Sérgio Cabral (PMDB) e Jaques Wagner (PT) são favoritos para se reeleger no primeiro turno. Como exceções aparecem Minas Gerais, com Antonio Anastasia (PSDB) na liderança, e São Paulo, onde Geraldo Alckmin (PSDB) supera Aloizio Mercadante (PT). No Paraná, a onda vermelha já proporcionou uma grande virada. As últimas pesquisas mostram que o tucano Beto Richa, antes favorito ao governo, perdeu o primeiro lugar para Osmar Dias (PDT). Reviravoltas também têm ocorrido na disputa para o Senado. Até então cotado para uma das vagas do Rio, Cesar Maia (DEM) foi ultrapassado pelo ex-prefeito de Nova Iguaçu Lind­berg Farias (PT). No Amazonas, Arthur Virgílio perdeu o segundo lugar para Vanessa Grazziotin (PCdoB). Em Pernambuco, Marco Maciel (DEM), segundo colocado atrás de Humberto Costa (PT), foi ultrapassado por Armando Monteiro Neto (PTB).

A inédita sintonia fina entre Executivo e Legislativo, a partir de 2011, trará benefícios para o Brasil. Caso se confirme a sólida maioria no Congresso do possível futuro governo Dilma Rous­seff, o Brasil terá finalmente a chance de aprovar as mudanças estruturais que se fazem necessárias há anos, como as reformas política e tributária. “A agenda congressual a partir do ano que vem exigirá a votação das reformas. Com maioria no Legislativo e vontade política, será possível avançar nessas questões”, afirma David Fleischer, cientista político da UnB. Outro aspecto importante é a possibilidade da formação de uma concertação política, composta por partidos aliados chancelados pelo desejo popular. Desde a redemocratização do País, os governos construíram suas maiorias pelas artes do fisiologismo e das políticas do toma-lá-dá-cá, numa espécie de balcão de negócios em pleno Congresso. Nesse novo cenário, queiram ou não, deputados e senadores serão levados a participar de uma ação conjunta, na qual é de esperar que os objetivos políticos se sobreponham à visão patrimonialista do mandato.


APOIO
Participação de Lula na campanha de Dilma incomodou a oposição
Há quem afirme que a concentração de poder nas mãos do Executivo, com o Legislativo dócil à vontade do Planalto, pode permitir uma recaída autoritária. O temor não se justifica. Não há ambiente no Brasil para esse tipo de surto. As instituições são sólidas e democráticas, e não há espaço para mudanças constitucionais em benefício de um partido, como aconteceu na história do México, onde o PRI controlou a vida política por 71 anos, graças ao domínio da máquina pública. “O que aconteceu no México foi muito diferente. O PRI chegou ao poder quando a economia mexicana, a sociedade e os políticos eram muito rudimentares e eles forjaram instituições para guiar o desenvolvimento em todas as áreas. Já o PT emergiu no momento em que a economia e as instituições já estavam consolidadas”, compara o brasilianista Peter Hakim, presidente do Interamerican Dialog.


MINORIA
No Largo de São Francisco (SP), menos de 100 pessoas lançam o manifesto
Contrariando todas as evidências, intelectuais e setores da elite, em São Paulo divulgaram, na semana passada, um manifesto em defesa da democracia e da liberdade de expressão. Um dia depois, o Clube Militar, no Rio de Janeiro, instituição marcada pelo apoio ao antigo regime de exceção que infernizou o País por 20 anos, promovia um inusitado painel de debates para discutir também supostos riscos à democracia no País. Tanto o documento do grupo de intelectuais quanto os debates dos militares ficaram a um passo de questionar a própria legitimidade da eleição de Dilma, em razão da participação do presidente Lula na campanha. Ambos não levaram em conta que a legitimidade brota das urnas. Embora o eleitor manifeste maciçamente sua intenção de votar pela continuidade das políticas oficiais, a opinião pública não vem sendo espelhada na ação de alguns agentes do processo político. O que parece ter sido esquecido no manifesto oposicionista de tendências golpistas é que a democracia é exercida pelo voto.


EQUÍVOCO
Um manifesto oportunista tentou passar a mensagem de que há uma ameaça à democracia. Esqueceu que a legitimidade vem pelo voto
O temor de uma vaga autoritária por parte do governo é deslocado da realidade. Não reflete o momento que o Brasil vive. Não há sinais concretos de que o presidente Lula tenha atentado contra a liberdade de imprensa. Ele vem fazendo apenas críticas pontuais, direito que não pode ser negado a qualquer cidadão, muito menos ao presidente. De resto, desde a luta contra a ditadura, Lula mostrou-se defensor intransigente das liberdades democráticas. “É incrível como as pessoas ficam empurrando o Lula para o chavismo, quando ele tem permanentemente se recusado a cruzar essa fronteira”, rebate o ex-ministro Delfim Netto, com a ironia de sempre. Delfim tem razão. A não ser que o observador da cena nacional, assustado com a onda vermelha, queira ver chifre em cabeça de cavalo.

Ibope confirma vitória de Dilma no primeiro turno

O Ibope divulgou, na noite de sexta-feira (24), mais uma pesquisa de intenção de voto para a Presidência da República. Na média nacional, segundo o levantamento, Dilma (PT) vence no primeiro turno com 50% dos votos contra 28% do tucano José Serra e 12% de Marina Silva (PV).

Ibope também calculou o percentual alcançado pelos candidatos em segmentos do eleitorado como sexo e nas regiões do país. Os gráficos mostram que Dilma vence em todos os segmentos.

Eleitorado masculino e feminino
Entre os eleitores do sexo masculino, Dilma aparece com 53% das intenções de voto, contra 27% de Serra e 10% de Marina.

Já entre as mulheres, a petista tem 48%, o tucano, 29%, e Marina, 13%.

Por região
No Norte/Centro-Oeste, Dilma tinha 46% e foi para 48%; Serra foi de 30% para 31%, e Marina manteve 13%.

No Sudeste, Dilma foi de 48% para 45%; Serra, de 24% para 30%, e Marina foi de 14% para 13%.

No Sul, Dilma foi de 42% para 44%; Serra manteve 35%, e Marina foi de 10% para 13%.

No Nordeste, Dilma foi de 66% para 64%; Serra de 16% para 20%; e Marina, de 7% para 8%.

Sobre a última pesquisa
O Ibope ouviu 3.010 eleitores em 202 municípios de 21 setembro a 23 de setembro. A pesquisa foi encomendada ao Ibope pela TV Globo e pelo jornal "O Estado de S. Paulo". A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 31.689/2010.

A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Isso quer dizer que, na média nacional, Dilma pode ter entre 48% e 52%; José Serra, entre 26% e 30%; e Marina Silva, entre 10% e 14%.

Assim, nos votos válidos, Dilma está com 55% e ganharia no 1º turno se a eleição fosse hoje.

Dentre os demais candidatos – Eymael (PSDC), Ivan Pinheiro (PCB), Levy Fidelix (PRTB), Plínio de Arruda Sampaio (PSOL), Rui Costa Pimenta (PCO) e Zé Maria (PSTU) –-, nenhum alcançou 1% das intenções de voto individualmente, mas juntos atingiram 1%. Os eleitores que responderam que votarão em branco ou nulo somaram 5% e os que se disseram indecisos, 5%.

Na simulação de um eventual segundo turno entre Dilma e Serra, o Ibope apurou que a petista teria 54% (considerando a margem de erro, tem de 52% a 56%) e Serra, 32% (de 30% a 34%). Votariam nulo ou em branco 7% dos eleitores. Os que se disseram indecisos somam 7%.

24 setembro 2010

PT entra com ação contra lei que exige dois documentos para votar

O diretório nacional do PT entrou com uma ação direta de inconstitucionalidade no STF (Supremo tribunal Federal) contra a lei que exige que os eleitores apresentem no dia das eleições dois documentos (o título de eleitor e outro documento oficial com foto). A ação do partido é motivada por um temor: o de que a nova exigência aumente a abstenção nas urnas.

Os eleitores que perderam ou tiveram o título eleitoral roubado podem pedir segunda via do documento até a próxima quinta-feira (30).

Datafolha confirma vitória de Wagner no primeiro turno, Geddel continua estagnado

Nova pesquisa Datafolha, divulgada na noite desta quinta-feira (23), confirma que se a eleição fosse hoje o governador Jaques Wagner seria reeleito no primeiro turno com 48% das intenções de votos, mantendo uma vantagem de 27 pontos percentuais sobre o segundo colocado, Paulo Souto que tem 21%. Considerando apenas os votos válidos, quando se descarta os que votarão em branco/nulo ou ainda estão indecisos, Wagner chega, com folga, a 58%.

Entre os demais candidatos, Geddel estacionou em terceiro lugar com 12%, Bassuma tem 2% e Marcos Mendes (PSOL) aparece com 1%, percentual que não chegou a ser atingido por Sandro Santa Barbara (PCB) e Professor Carlos (PSTU).

Os indecisos na Bahia são 11% dos eleitores e pretendem votar em branco ou anular o voto outros 5%. O Datafolha ouviu 1,1 mil eleitores em 43 cidades da Bahia entre terça e quarta-feira desta semana. A pesquisa está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número 31.421/2010. A margem de erro da pesquisa é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos

22 setembro 2010

Povo de Boninal transforma carreata de Wagner em comício

O povo de Boninal, na Chapada Diamantina, transformou em comício o que seria a carreata de Wagner, Otto, Pinheiro e Lídice, na manhã desta quarta-feira (22). Cerca de quatro mil pessoas ocuparam as ruas e o local da concentração, a Praça Agenor Gonçalves, terminou sendo o pano de fundo, no qual a multidão aplaudiu e comemorou quando o governador se comprometeu com a pavimentação da BA-245, que liga Boninal a Mucugê.

Foi uma festa só. O povo nas ruas emocionou a todos da comitiva e o prefeito local, Eudes Paiva, do PT, explicou o motivo de tanta alegria: é a primeira vez que Boninal, "depois da libertação", encontra-se cara a cara com o governador Wagner e os integrantes da chapa majoritária da coligação "Pra Bahia Seguir em Frente".

"Em 2008, diz o prefeito, derrotamos o DEM e acabamos com 40 anos de dominação, que o povo não aguentava mais. Desde então estamos em festa, coroada agora com a presença do nosso governador e seus companheiros de chapa. O que estamos assistindo comprova o que eu digo". Com efeito, entre os milhares de manifestantes destacava-se um negro, grisalho, Jaime Cupertino, aposentado de 68 anos. Disse conhecer Lula e Wagner há muito tempo: "A gente sabe quem trabalha pelo pobre. Esses dois eu acompanho desde o início, desde a fundação do PT".

Destaque para os deputados Emiliano e Paulo Rangel. Emiliano esteve em Boninal e Seabra no domingo e Paulo Rangel, hoje. Ambos dão suporte ao prefeito petista Eudes Paiva na tarefa de reconstrução de um município que há quarenta anos não tinha alternância no poder.

Havia também outros políticos na multidão. O prefeito de Abaíra, João Hipólito, do PTB, orgulha-se de ser o primeiro gestor, não petista, a declarar apoio a Wagner na Chapada Diamantina. "O pessoal do meu partido já me ligou, insistindo em que eu vote em Edivaldo e César. Mas eu já disse que voto com os candidatos de Wagner, um governador que mantém com os prefeitos uma relação de respeito", declarou ele.

Ibitiara
A segunda carreata do dia ocorreu em Ibitiara, ao final da qual Otto Alencar, emocionado pediu para falar: "Eu me dirijo a vocês com a voz do coração, com a força da alma, quero que os que votam comigo elejam Pinheiro e Lídice para representar a Chapada e a Bahia no Senado".

O prefeito local, Nilton Menezes, do PR, apóia Wagner e participou da carreata ao lado do presidente do PT municipal, Dermeval Matos. "Eu já simpatizava com o trabalho que o governador vem fazendo na Bahia e acompanhei Otto quando ele deu apoio", declarou. Nas ruas de Ibitiara via-se faixas em se lia a mensagem de um município vizinho: "Novo Horizonte vota no time completo de Wagner".

Confira as fotos da carreata que virou comício no Flickr Oficial de Jaques Wagner

20 setembro 2010

Emiliano reforça candidatura na Chapada Diamantina

Os municípios de Boninal e Seabra, da Chapada Diamantina, receberam a visita, no domingo (20), do candidato a deputado federal Emiliano (1331). A agenda foi articulada por João Alberto, coordenador de campanha na região.

Em Boninal, Emiliano foi recebido por diversos apoiadores, entre eles o prefeito Eudes Paiva e o presidente do PT Alonso, além de vereadores e secretários municipais.

Eudes destacou a importância de Emiliano para o município. “Ele tem sido o nosso representante na Câmara Federal. E acredito que essa parceria de Boninal com Emiliano continuará. O município cresceu muito com a ajuda de Emiliano. Ele destinou, junto ao Ministério do Turismo, R$ 500 mil para calçamento de diversas ruas e ajuda na festa de São João. Além disso viabilizou, junto à Secretaria de Educação Profissional do Ministério da Educação (MEC), a elaboração de projeto para implantação de escola técnica do Instituto Federal Baiano no município”.

Emiliano disse que o povo foi sábio ao eleger Eudes. “Ele um prefeito sério, inteligente, que cuida com carinho dos recursos públicos e que quer melhorar a vida do nosso povo. É um prefeito que tem o apoio do Governo do Estado, e vamos lutar para aumentar ainda mais os investimentos aqui. O povo de Boninal sabe que pode contar comigo pra valer”, ressaltou.


REUNIÃO EM SEABRA
Já em Seabra, Emiliano foi recebido pelos coordenadores de campanha Geisa Gabrieli Neiva e Leonardo Rodrigues Teixeira, que organizaram uma reunião com estudantes, educadores e outros moradores locais.


Aproveitando a presença de alunos da UNEB, Emiliano destacou o importante papel da Universidade para o Estado. “Outras universidades estaduais deverão ser implantadas nos próximos anos. Para isso precisamos manter o projeto de governo que está em andamento na Bahia e no Brasil. Eu sou muito amigo do reitor da UNEB, Valentim, que declarou apoio à minha candidatura, pois sabe que venho contribuindo para a melhoria desta Universidade”.

Emiliano destacou ainda a necessidade de eleger uma bancada forte no Senado, na Assembleia Legislativa e na Câmara Federal. “Vivemos o momento mais importante da nossa história. Temos o maior presidente da história do Brasil. Mas precisamos de mais deputados e senadores que apóiem este governo, que estejam juntos com Lula”.

19 setembro 2010

Lula: “A opinião pública somos nós”


Tijolaco

Nesse momento em que a mídia tenta salvar Serra e derrubar Dilma se valendo dos recursos mais rasteiros, Lula apontou no comício de hoje em Campinas quem são os inimigos do povo. E não atacou apenas as elites de uma forma geral e os tucanos, mas denunciou claramente o papelão que a imprensa vem fazendo por não tolerar as mudanças que o país vem passando.

“A imprensa chega a ser uma vergonha. Não suportam ver que a economia vai crescer 7% esse ano, não suportam que a gente tenha gerado 15 milhões de empregos com carteira assinada, não suportam que os pobres não aceitem mais o tal formador de opinião. Não suportam que o povo pense com suas própria cabeça e ande com suas próprias pernas. Nós somos a opinião pública e nós mesmos nos formamos”, disse Lula, comprando a briga que Dilma ainda não pode comprar.

Lula recomendou a Dilma e a Mercadante que não percam o humor diante dos ataques que estão sofrendo. “Deixa que eu perco”, brincou. “Tem uma revista aí, que não sei o nome, parece Olha, no Nordeste seria zóia, que instila ódio e mentira. Mas nas eleições não vamos derrotar só os tucanos, vamos derrotar alguns jornais e algumas revistas que são como partidos e não têm coragem de dizer que têm candidato.”

Lula disse que esses veículos querem parecer democratas, mas “democrata é esse governo, que não censura. Quem vai censurá-los é o povo, que vai definir o que presta e o que não presta.”

Lula procurou deixar clara a diferença entre os donos dos meios de comunicação e os jornalistas, mas fez um alerta aos jornalistas presentes ao comício, que nem sempre parecem perceber claramente o que está em jogo. “Dono de jornal tem lado. Não existe ninguém neutro”, advertiu o presidente.

Lula está tomado de uma ira santa e dando nome aos bois. Ele é o principal baluarte dessa campanha. E nós aqui, da nossa tricheira permanente, combatemos a seu lado para que o país não retroceda mais ao período em que se desvencilhou de si mesmo, olhou para fora e não para seu povo e quase liquidou um patrimônio construído com o sangue e o suor dos que amam verdadeiramente o Brasil.

Conheça a folha corrida do Rubnei, o novo herói do PiG (*)

Currículo de fazer inveja ao Daniel Dantas, também condenado
Extraído do Tijolaço, do Brizola Neto:


Quem é o “Roubnei”, o “consultor” herói da mídia.

Ou Rubnei Quicoli é um contumaz delinquente ou a Justiça Brasileira e o Ministério Público estão sendo esbofeteados pela imprensa. Este homem, que é colocado na condição de “herói” pelos grandes jornais e que tem suas afirmações reproduzidas em manchetes por eles e pela televisão é condenado diversas vezes na justiça, inclusive em segunda instância e os documentos estão aí, ao alcance de qualquer jornal.

Aqui, você pode ler o no Diário da Justiça o voto do relator da apelação criminal de número 0007953-14.2000.403.6105/SP, onde este homem é julgado por ter sido pego retirando um BMW roubado de uma oficina mecânica e, ainda por cima, portando sete notas falsas de R$ 50. Ele obteve uma redução de pena para “ 4 (quatro) anos de reclusão e 20 (vinte) dias-multa, determinar o regime inicial aberto e substituir a pena privativa de liberdade por 2 (duas) restritivas de direito nos termos do relatório e voto que ficam fazendo parte integrante do presente julgado”, por decisão do Desembargador André Nekatschalow. Na sentença, é mencionado que Rubnei já tinha sido condenado pelo mesmo tipo de crime (fls. 463), mas que não foi considerado reincidente apenas pelo fato de est outra sentença ainda não ter transitado em julgado.



O documento é original, certificado eletronicamente e não foi obtido por nenhuma investigação senão um acesso ao Google, digitando “sentença rubnei quicoli”. Nada mais. O acórdão foi expedido agora, dia 26 de abril deste ano, por unanimidade de votos.

E o antecedente? É a sentença da juíza de Campinas, Dra. Carla dos Santos Fullin Gomes, obtida na internet, noTribunal de Justiça de São Paulo, cuja a imagem reproduzo aí em cima, por receptação de carga roubada e coação de testemunha. Sua leitura dispensa qualquer comentário.

Este é o herói da mídia. Este é o homem que serve para que ela tente manipular a vontade eleitoral do povo brasileiro.

Sugiro, publicamente, que os partidos políticos publiquem estes documentos como matéria paga na capa dos jornais. Se o Ministério Público não age, ajamos nós. Vamos levar a verdade ao conhecimento de todos. Essa missão deveria ser da imprensa, bem como a de noticiar a apuração de qualquer desvio de conduta de qualquer integrante do poder público.

Mas não há imprensa, há é um partido político da mídia, que coloca todas as suas fichas no golpismo e que não hesita em publicar, escandalosamente, as acusações de um comporvado delinquente de quinta categoria.



(*) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.

Do ConversaAfiada


Artigos Relacionados


Serra só respeita jornalista do PiG (*)

Folha (*) bate em cachorro morto em editorial contra o Serra

Você compraria ações da Folha ou da Petrobrás ?

Por que o PiG (*) insiste em tentar desmoralizar a Petrobrás ?

Petrobrás desmoraliza Folha. Folha quer vender a Petrobrax

17 setembro 2010

Loucuras catarinenses ou neonazismo???

O diretor de redação e sócio majoritário da revista Carta Capital, Mino Carta, lamentou a solicitação de informações que recebeu da vice-procuradora-geral eleitoral Sandra Cureau, em ofício encaminhado nesta quinta-feira (16), em que a integrante do Ministério Público cobra, no prazo de cinco dias, "relação das publicidades do governo federal dos anos 2009/2010, os respectivos contratos, bem como os valores recebidos a esse título". “A senhora Cureau entende que nós somos comprados pelo governo federal, via publicidade. Se ela se dedicasse, ou se dedicar, porém, à mesma investigação junto às demais editoras (...) verificará, talvez com alguma surpresa, que todos eles têm publicidade de instituições do governo em quantidade muito maior e com valor maior do que Carta Capital”, disparou. O empresário endossa que o que correto, em sua avaliação, seria que as informações fossem solicitadas ao Governo Federal. Carta indignou-se com o fato de não ter havido investigações à época do governo Fernando Henrique Cardoso, quando não recebia publicidade oficial, em uma insinuada perseguição contra o veículo. Informações do Terra

Datafolha: Wagner sobe 5 pontos e vai a 53%, Paulo Souto perde 2 e desaba para 16%

Nova pesquisa Datafolha, divulgada nesta sexta (17/9), mantém a liderança de Wagner (PT) e reafirma a vitória do governador e candidato à reeleição já no primeiro turno. A vantagem sobre o segundo colocado, Paulo Souto (DEM), subiu para 37 pontos percentuais. O demo caiu mais dois pontos em relação ao último levantamento, ficando com 16% ante 53% de Wagner. Geddel (PMDB) desabou para 11%.

12 setembro 2010

A ombudsman da Folha e o Twitter

O ATAQUE DOS PÁSSAROS
SUZANA SINGER - ombudsman@uol.com.br

A manchete de domingo desencadeou uma onda anti-Folha no Twitter, que o jornal ignorou
Folha de S. Paulo - A Folha vem se dedicando a revirar vida e obra de Dilma Rousseff. Foi à Bulgária conversar com parentes que nem a candidata conhece, levantou a fase brizolista da ex-ministra, suas convicções teóricas e até uma loja do tipo R$ 1,99 que ela teve com uma parente no Sul. Tudo isso faz sentido, já que Dilma pode se tornar presidente do Brasil já no primeiro escrutínio que disputa.

Mas, no domingo passado, o jornal avançou o sinal ao colocar na manchete "Consumidor de luz pagou R$ 1 bi por falha de Dilma". O problema nem era a reportagem, que questionava a falta de iniciativa do Ministério de Minas e Energia para mudar uma lei que acabava por beneficiar com isenção na conta de luz quem não precisava.

Colocar uma lupa nas gestões da candidata do governo é uma excelente iniciativa, mas dar tamanho destaque a um assunto como este não se justifica jornalisticamente.

Foi iniciativa de Dilma criar a tal Tarifa Social? Não, foi instituída no governo Fernando Henrique Cardoso. É fácil mexer com um benefício social? Não, o argumento de que faltava um cadastro de pobres que permitisse identificar apenas os que mereciam a benesse faz muito sentido. Existe alguma suspeita de desvio de verbas? Nada indica.

O lide da reportagem dava um peso indevido ao que se tinha apurado. Dizia que a propaganda eleitoral apresenta a candidata do PT como uma "eficiente gestora", mas que "um erro coloca em xeque essa imagem". Essa tem que ser uma conclusão do leitor, não do jornalista.

Uma manchete forçada como a da conta de luz, somada a todo o noticiário sobre o escândalo da Receita, desequilibrou a cobertura eleitoral. Dilma está bem à frente nas pesquisas de intenção de voto e isso é suficiente para que se dê mais atenção a ela do que a seu concorrente, mas, há dias, José Serra só aparece na Folha para fazer "denúncias". Nada sobre seu governo recente em São Paulo. Nada sobre promessas inatingíveis, por exemplo.

Os leitores perceberam a assimetria. Durante a semana, foram 194 mensagens à ombudsman protestando contra o noticiário, mas o maior ataque ocorreu no Twitter, a rede social simbolizada por um pássaro azul, que reúne pessoas dispostas a dizerem o que pensam em 140 caracteres. Até quinta-feira passada, tinham sido postadas mais de 45 mil mensagens anti-Folha.


CRIATIVIDADE

Os internautas inventaram manchetes absurdas sobre a candidata de Lula: "Empresa de Dilma forneceu a antena para o iPhone 4", "Dilma disse para Paulo Coelho, há 20 anos: continue a escrever, rapaz, você tem talento!", "Serra lamenta: a Dilma me indicou o Xampu Esperança" e "Errar é humano. Colocar a culpa na Dilma está no Manual de Redação da Folha".

O movimento batizado de #Dilmafactsbyfolha virou um dos assuntos mais populares ("trending topics") do Twitter em todo o mundo, impulsionado, em parte, pela militância política -segundo levantamento da Bites, empresa de consultoria de planejamento estratégico em redes sociais, 11 mil tuítes usaram um #ondavermelha, respondendo a um chamamento da campanha do PT na rede. Até o candidato a governador Aloizio Mercadante elogiou quem engrossou o coro contra o jornal.

Mas é um erro pensar que apenas zumbis petistas incitados por lideranças botaram fogo no Twitter. O partido não chegou a esse nível de competência computacional.

Na manada anti-Folha, havia muito leitor indignado, gente que não queria perder a piada, além de velhos ressentidos com o jornal.

Não dá para desprezar essa reação e a Folha fez isso. Não respondeu aos internautas no Twitter e não noticiou o fenômeno. O "Cala Boca Galvão" durante a Copa virou notícia. No primeiro debate eleitoral on-line, feito por Folha/UOL em agosto, publicou-se com orgulho que o evento tinha sido um "trending topic". Não dá para olhar para as redes sociais apenas quando interessa.

A Folha deveria retomar o equilíbrio na sua cobertura eleitoral e abrir espaço para vozes dissonantes.

10 setembro 2010

Ibope: Wagner mantém 49%; Paulo Souto cai para 15% e Geddel estaciona em 12%

O governador da Bahia e candidato à reeleição, Jaques Wagner (PT), lidera a última pesquisa Ibope, divulgada hoje pela TV Bahia (afiliada da Rede Globo), com 49% das intenções de voto. Se as eleições fossem hoje, ele seria eleito no primeiro turno.

Segundo a pesquisa, realizada entre os dias 7 e 9 deste mês, o ex-governador Paulo Souto (DEM) aparece em segundo, com 15% das intenções de voto. O ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) está em terceiro, com 12%.

Em relação ao levantamento passado, divulgado no último dia 27, Wagner se manteve na liderança, Paulo Souto caiu 3 pontos, de 18 para 15% e Geddel stagnou em 12%.

Wagner aparecia também com 49% das intenções de voto, seguido de Souto, com 18%, e Geddel, com 12%.

Brancos e nulos somam 7%, e 16% dos entrevistados declaram não saber em quem votar.

No levantamento para o Senado, César Borges (PR) aparece com 29%, seguido de Pinheiro (PT), com 27%, e Lídice (PSB), com 26%. José Ronaldo (DEM) tem 14% das intenções de voto, Edvaldo Brito (PTB) aparece com 7% e José Carlos Aleluia (DEM) também tem 7%.

A pesquisa Ibope ouviu 1.512 eleitores baianos e está registrada no TRE (Tribunal Regional Eleitoral) da Bahia com o número 36.975/2010.

Baixaria tucana não afeta Dilma

A nova pesquisa Datafolha, encomendada pela Rede Globo e pela Folha, divulgada nesta sexta-feira, 10, aponta Dilma Rousseff, 23 pontos à frente do seu principal adversário, o candidato tucano José Serra.

De acordo com o resultado da pesquisa, a petista tem 50% contra 27% do candidato do PSDB. Marina Silva, candidata do PV, oscilou um ponto percentual para cima e tem 11%.

Os demais candidatos não atingiram 1%. A margem de erro é de 2 pontos para mais ou para menos. Brancos e nulos somaram 4% e indecisos, 6%%. Neste quadro, considerando-se o total de votos válidos, a candidata Dilma Rousseff seria eleita no primeiro turno.

Numa simulação de segundo turno, a candidata Dilma Rousseff teria 56% das intenções de voto contra 35% de José Serra. A pesquisa, realizada entre os dias 8 e 9 de agosto, ouviu 11660 pessoas em 414 municípios e está registrada no TSE sob o nº 28809/2010.

Livro de Amauri Ribeiro Júnior pode esclarecer quebras de sigilo

O candidato ao senado Aécio Neves (PSDB/MG), foi a São Paulo, ontem (quinta-feira), em uma reunião de emergência com a cúpula tucana, para tratar com discrição, a preocupação com as investigações da Polícia Federal sobre a quebra de sigilo na Receita de tucanos ligados a José Serra (PSDB/SP) envolvidos em escândalos de corrupção no governo FHC, além do sigilo fiscal da filha de Serra.

A tentativa de golpe da campanha de Serra de forjar um falso escândalo sobre um suposto dossiê que seria usado contra ele, e de querer atribuir à Dilma a ação de máfias paulistas que traficam informações sigilosas, foi mal sucedido e foi parar na Polícia Federal, incluindo o livro que Amauri Ribeiro Júnior está concluindo, e material de reportagens que seriam feitas para o jornal aecista "Estado de Minas", onde Amauri trabalhava.

A reunião da cúpula tucana em São Paulo foi para blindar Aécio do que pode estar por vir das investigações da Polícia Federal.

A bala de prata que Serra tentou alvejar Dilma, tomou a direção de Aécio, e pode abater sua candidatura e de seu pupilo Anastasia. Foi esse o motivo da reunião de emergência.

O resultado dessa reunião de ontem parece que já deu o ar da graça nas páginas do jornal "Folha de São Paulo" de hoje, conforme a nota abaixo, com o jornal desmentindo todo o sensacionalismo que vinha fazendo antes a respeito do suposto dossiê.

Do blog Amigos do Presidente Lula, com informações do Estadão

Filha de Serra fez a maior quebra de sigilos do mundo

A revista CartaCapital que está nas bancas traz reportagem de Leandro Fortes que vai calar o Zé Baixaria e seus auto-falantes do PiG (*).

Por 15 dias no ano de 2001, no governo FHC/Serra a empresa Decidir.com abriu o sigilo bancário de 60 milhões de brasileiros.

É isso mesmo o que o amigo navegante leu: a filha de Serra abriu o sigilo bancário de 60 milhões de brasileiros por 15 dias durante o governo FHC/Serra.

A Decidir.com é o resultado da sociedade, em Miami, da filha de Serra com a irmã de Daniel Dantas.

Veja aqui a prova da associação com documentos do Estado da Flórida, nos Estados Unidos.

O primeiro “plano de negócios” da empresa era assessorar licitações públicas.

Imagine, amigo navegante, assessorar concorrências !

A certa altura, em 2001, a empresa resolveu ser uma concorrente da Serasa.

Fez um acordo com o Banco do Brasil e através disso conseguiu abrir sigilos bancários.

O notável empreendimento de Miami conseguiu também a proeza de abrir e divulgar a lista negra do Banco Central.

O intrépido jornalismo da Folha (**) fez uma reportagem sobre o assunto, mas motivos que este ordinário blogueiro não consegue imaginar, omitiu o nome da empresa responsável pelo crime.

A Folha (**) abriu ela própria o sigilo de 700 autoridades que passaram cheques sem fundo.

O então presidente da CÂmara Michel Temer oficial o Banco Central.

E, a partir daí, operou-se um tucânico abafa.

O Banco Central não fez nada.

A Polícia Federal não fez nada.

O Ministério da Fazenda não fez nada.

O Procurador Geral da República não fez nada.

Faltava pouco para a eleição presidencial de 2002, quando José Serra tomou a surra de 61% a 39%.

A filha dele largou a empresa, provavelmente em nome dos mais altos princípios da Moral.

Mino Carta tem a propriedade de publicar reportagens que equivalem a tiro de misericórdia.

Quando dirigia a revista Isto É, publicou a entrevista do motorista que implodiu o governo Collor.

Agora, ele e Leandro, processados por Gilmar Dantas (***), dão o tiro de misericórdia na hipocrisia dos tucanos paulistas.

A partir desta edição da CartaCapital, a expressão “violar o sigilo” passa a ser uma forma de ofensa à memória dos brasileiros.


Paulo Henrique Amorim, no Conversa Afiada


(*) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.


(**) Folha é um jornal que não se deve deixar a avó ler, porque publica palavrões. Além disso, Folha é aquele jornal que entrevista Daniel Dantas DEPOIS de condenado e pergunta o que ele achou da investigação; da “ditabranda”; da ficha falsa da Dilma; que veste FHC com o manto de “bom caráter”, porque, depois de 18 anos, reconheceu um filho; que avacalha o Presidente Lula por causa de um comercial de TV; que publica artigo sórdido de ex-militante do PT; e que é o que é, porque o dono é o que é; nos anos militares, a Folha emprestava carros de reportagem aos torturadores.


(***) Clique aqui para ver como um eminente colonista (****) do Globo se referiu a Ele. E aqui para ver como outra eminente colonista (**) da GloboNews e da CBN se refere a Ele.


(****) Não tem nada a ver com cólon. São os colonistas do PiG (*) que combatem na milícia para derrubar o presidente Lula. E assim se comportarão sempre que um presidente no Brasil, no mundo e na Galáxia tiver origem no trabalho e, não, no capital. O Mino Carta costuma dizer que o Brasil é o único lugar do mundo em que jornalista chama patrão de colega. É esse pessoal aí.

Serra sabia de quebra de sigilo da família quando era governador

Em reportagem do SBT, candidato admite que já sabia da existência de quadrilhas especializadas em roubar dados pessoais de cidadãos

O blog Conversa Afiada, do jornalista Paulo Henrique Amorim, resgata reportagem do SBT mostrando a ação criminosa de venda de informações pessoais e fiscais de milhões de brasileiros. Na matéria, o então governador José Serra afirma ter conhecimento da existência desse tipo de delito e admite que até seus familiares seriam vítimas dos bandidos.

Outras autoridades também foram ouvidos pelos repórteres do SBT, entre eles o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o ex-ministro e atual candidato a governador do Rio Grande do Sul Tarso Genro e o ministro do STF Gilmar Mendes. Até o próprio presidente Lula – e sua família -, além do próprio José Serra, são mostrados em situação vulnerável em relação aos seus sigilos.

A admissão de conhecimento por parte de Serra da existência anterior de problemas para conter o avanço de quadrilhas especializadas em invadir sistemas e bancos de dados pode enfraquecer a tática de campanha do presidenciável, que tenta encontrar motivação política e eleitoral para os recentes episódios envolvendo suspeitas de quebra de sigilo de sua filha, Verônica Serra, e de membros ligados ao PSDB.

Assista ao video da reportagem: You Tube

Publicações da Rede Brasil Atual e CartaCapital

Novas pesquisas na Bahia

A nova pesquisa realizada pelo instituto Ibope sobre a sucessão do governo baiano deverá ser divulgada neste fim de semana. O estudo, encomendado pela TV Bahia, tem o período de levantamento entre a última terça (7) e esta sexta-feira (10) e foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no dia 4 sob o protocolo 29059/2010.

O resultado não deve trazer grandes mudanças em relação às consultas anteriores e pode ser divulgado ainda esta noite no BA TV 2ª Edição.

O Datafolha também deve divulgar novos números sobre a corrida ao Palácio de Ondina este fim de semana. As entrevistas foram coletadas desde a última quarta (8) até esta sexta (10). O registro no TSE foi feito no dia 3, sob o número 28826/2010.

Sigilo não afetará cenário de vitória para Dilma,dizem analistas

Analistas prevêem que a suposta quebra de sigilo fiscal terão pouco ou nenhum impacto no rumo da eleição, que tende à vitória em primeiro turno de Dilma Rousseff (PT).

Os argumentos de especialistas convergem. O tema é pessoal, de difícil entendimento, sem nenhuma materialização e sem força para alterar o quadro eleitoral.

"Esse escândalo é fraco e não tem impressão digital clara", disse à Reuters Carlos Ranulfo cientista político e professor da Universidade Federal de Minas Gerais.

O reflexo nas pesquisas de intenção de voto não se fez sentir. O caso teve início em junho, com um pico há dez dias, quando a filha de Serra também foi envolvida nas denúncias. Levantamentos do Ibope e do Datafolha passaram incólume.

Realizado entre 31 de agosto e 2 de setembro, o Ibope manteve o quadro em que Dilma alcança 51 por cento das intenções de voto e Serra, 27 por cento. O resultado é idêntico ao da sondagem realizada no período anterior, de 24 a 28 de agosto.

No Datafolha, a petista foi de 49 por cento para 50 por cento e o tucano passou de 29 por cento para 28 por cento. No levantamento dos dias 2 e 3 de setembro, as oscilações ficaram dentro da margem de erro.

"Não mudou nada. O assunto é complicado para a maioria do eleitorado e muita gente nem declaração de Imposto de Renda faz", disse Marcia Cavallari, diretora-executiva do Ibope, justificando a falta de compreensão do eleitorado em relação ao vazamento de dados fiscais.

"As pessoas podem achar que faz parte do desespero (dos tucanos)", afirmou Marcia, a 24 dias do primeiro turno.

As próximas pesquisas devem atestar o que preveem os analistas. O Ibope, por exemplo, vai produzir três pesquisas eleitorais para presidente antes do primeiro turno. Uma por semana.

O cientista político Alberto Carlos Almeida, autor do livro "A Cabeça do Eleitor", acredita que as denúncias são marginais ao cenário nacional. "Não vai afetar, não vai virar nada."

Em 2006, uma tentativa de desestabilizar a candidatura de Lula (suposta compra de dossiês), com visibilidade bem maior, não o fez cair nas pesquisas. Alckmin pouco subiu. E no final Lula levou.

Para Almeida, a alta aprovação do governo Lula, o entendimento do eleitor de que Dilma vai lhe dar maior capacidade de consumo e o crescimento da economia de 7 por cento este ano vão eleger a candidata do governo. "É isso, o eleitor quer uma sensação de bem-estar."

Serra amarela e não responde a Lula

Saiu no Tijolaço

Serra ignora conselho de Noblat e nem cita Lula

José Serra não seguiu o conselho do Noblat e apequenou-se diante da grandeza de Lula, que foi à TV apontar a baixaria promovida pelo tucano. Em seu programa de hoje à tarde, não teve a coragem de enfrentar o presidente de peito aberto, nem que fosse para se credenciar como líder de uma futura oposição, e fez um discurso frouxo, tentando aparentar uma indignação que não convence ninguém.

Serra continua fingindo que não é oposição e nem a Dilma se referiu, certamente por temer processos agora que a história da quebra dos sigilos fiscais na Receita começa a pesar para o lado dele. O tucano até cancelou sua programação de ontem para preparar uma resposta a Lula, mas o que se viu foi uma fala acovardada, vazia, que nem o guru indiano, com toda sua “profundidade”, faria pior.

O programa de Serra parecia um repeteco dos dias anteriores. Aquela lamuriação, aquele baixo astral, e um mundo de fantasias de obras pelo país, que algum desavisado poderia pensar se tratar de um presidente tentando a reeeleição, embora sua experiência como principal executivo jamais tenha ido além das fronteiras de São Paulo.

Aliás, assistir aos programas eleitorais é sempre revigorante para quem apóia Dilma. Seu discurso é propositivo, aponta para o futuro e para a destinação das riquezas do país para os mais pobres.

Dilma está de bem com a vida e hoje certamente mais feliz com o nascimento de seu primeiro neto. A campanha ainda precisa ser levada com firmeza, mas um espírito leve ajuda muito nessas horas, principalmente quando se enfrenta um adversário carregado, que puxa para baixo a beleza de um processo eleitoral que define o nosso principal governante para os próximos quatro anos.

08 setembro 2010

PT traz o livro de Amaury para o debate; Serra se encolhe e agora prefere silêncio

Do Escrivinhador, por Rodrigo Vianna

Esse blogueiro, humildemente, foi o primeiro a informar que o assessor de Comunicação de Serra, Marcio Aith, estava doido para falar com Amaury Ribeiro Jr – o jornalista que tem pronto um livro sobre as privatizações tucanas e sobre as estranhas relações de Serra com Daniel Dantas. Escrevi sobre isso na sexta-feira, aqui.
Durante o feriado, Claudio Humberto deu destaque ao fato. E o PT se movimentou: pediu que a PF ouça Amaury. Agora, o secretário de Comunicação do PT, Andre Vargas, é mais explícito:

André Vargas vincula à proximidade entre o ex-prefeito petista de Belo Horizonte Fernando Pimentel e o ex-governador Aécio Neves (PSDB) a queda de denúncias de dossiês “no colo” do partido. Os dois eram aliados na política estadual. Em seu perfil no Twitter (@andrevargas13), o secretário petista sintetizou: “Amaury fora de controle Aécio via Pimentel plantou no colo do PT aquilo que não temos nada a ver. Antídoto contra informações comprometedoras”.

Confiram a matéria completa no Portal Terra.

Entenderam por que Serra recuou? Por que Marcio Aith procurou Amaury?

Para quem não está acompanhando o assunto (e não conseguirá acompanhar pela velha mídia, porque ela esconde essa parte da história), segue um resumo. Confiram:

Leia a matéria completa

06 setembro 2010

Montagem de foto é caso de polícia. E já!

O site “na minha opinião“, de um tal Virgilio Lemos, está disseminando pela internet uma fotomontagem grosseira de Dilma ao lado de uma arma, inserida artificialmente na foto, como provamos com a foto original. Você pode ver no detalhe, pela ampliação que a imagem foi colada sobre a original, interrompendo a moldura da janela.

Trata-se de um ato criminoso, que deve ser imediatamente apurado pela Polícia e pelo Ministério Público. Se não agem, devem ser provocados pelo PT, que é acusado de esconder a foto. Nesse caso não se pode ter condescendência. A atitude do autor do site é a de enganar as pessoas adulterando uma imagem antiga. O site está registrado em nome de outra pessoa, que omitimos para evitar injustiças, caso seja outra falsificação, de Niterói, no Rio de Janeiro. Tenho outros dados que posso fornecer sobre o possível autor, mas não o faço em respeito à possibilidade de ser uma identificação errada da pessoa em questão.

Têm sido vários os relatos de que os adeptos de Serra tentarão como última manobra apresentar Dilma como a guerrilheira, se possível lhe atribuindo algum crimes que jamais cometeu.

Os jornais abrem páginas e páginas para falar de uma quebra de sigilo que, até hoje, ninguém sabe quais foram. Estamos agora diante de uma manipulação criminosa de imagens, feita para enganar os ingênuos. Mas, afinal, não foi a própria Folha, quem começou esta história, publicando uma ficha falsa de Dilma no Dops?

05 setembro 2010

Internautas achincalham manchete da Folha sobre Dilma

Com tanta polêmica em torno da quebra de sigilo de tucanos e de pessoas ligadas a José Serra (PSDB), os internautas aproveitaram o domingo do feriado prolongado de 7 de setembro para tirar um sarro. Através da hashtag #DilmaFactsByFolha, milhares usuários do Twitter alcançaram o primeiro lugar dentre os assuntos mais comentados do microblog ao sugerirem as próximas manchetes do jornal Folha de São Paulo sobre Dilma Rousseff (PT).

A brincadeira, inspirada no clássico "Chuck Noris Facts" — em que o ator norte americano é tido como autor das maiores façanhas — foi iniciada por apoiadores da campanha petista, que reagiram à manchete da Folha deste domingo, 05. A reportagem de capa atribui a Dilma um erro na cobrança da tarifa social de energia elétrica enquanto era ministra das Minas e Energia. De acordo com a publicação, o Tribunal de Contas da União (TCU) calcula prejuízos em torno de R$ 2 bilhões, metade durante à passagem da candidata pelo ministério.

O sucesso do movimento foi comemorado por militantes e pelo próprio coordenador da campanha digital de Dilma, Marcelo Branco, que twittou: "Contra a grosseria, preconceito e baixaria no TT [Twitter], #ondavermelha ataca com crítica política e bom humor no #DilmaFactsbyFolha".


Alguns dos #DilmaFactsByFolha mais "retwittados":

Extra, extra: Foi encontrado na bolsa de Dilma o dedo do Lula e uma perna da Eliza Samudio. #DilmaFactsbyFolha

Dilma Roussef atirou o pau no gato #DilmaFactsbyFolha

Dilma matou Odete Roitman"#DilmaFactsByFolha

Uma vez Dilma Rousseff governou o planeta Marte. Essa é a razão de não existir vida lá. #DilmaFactsByFolha

A Folha vai dar um contrato vitalício de jornalista p/ quem inventar o melhor factóide p/ derrubar Dilma, @mmtwitee #Dilmafactsbyfolha

Sabe as enchentes em SP que tivemos neste ano? Foi obra da Dilma! #DilmaFactsbyFolha

Urgente-Reviravolta no caso Isabela Nardoni:Folha ouviu fonte idônea q afirma ter visto Dilma entrando no apartamento. #DilmaFactsByFolha

Dilma vira em 3 Estados e lidera sozinha em 24 UFs

Dilma Rousseff (PT) avançou no Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Rio Grande do Sul e agora lidera sozinha a corrida presidencial em 24 das 27 unidades da Federação. José Serra (PSDB) só consegue empatar tecnicamente com a petista no Paraná, Santa Catarina e no Acre.

Levantamento feito com base nas mais recentes pesquisas do Ibope nos Estados mostra que Dilma está isolada em primeiro lugar em todo o Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste. A situação se repete em 6 dos 7 Estados do Norte.

No Acre, Estado natal de Marina Silva (PV), é onde a sucessão está mais embolada. Serra tem 34%, Dilma tem 32% e a candidata verde tem 19% (seu melhor desempenho no país).

Serra ainda consegue segurar empates técnicos em 2 dos 3 Estados do Sul, onde a “onda vermelha” demorou mais tempo para chegar. No Paraná ele tem 40%, contra 43% da petista. E entre os catarinenses ela tem 40% e ele, 38%.

Dilma tem mais de dois terços dos votos válidos em 11 Estados, todos do Nordeste e do Norte. Além desses, ela fica com 50% a 66% dos votos válidos em mais 12 unidades da Federação. Ou seja, a candidata de Lula ganharia no primeiro turno em 23 UFs, que somam 68% do total de votos do país. Neles, ela abre 19 pontos sobre a soma dos adversários.

Em São Paulo, Dilma também bate Serra, mas tem “apenas” 48% dos votos válidos, insuficientes para uma vitória em turno único.

As pesquisas que entraram nesse levantamento foram feitas em datas diferentes, a partir de 12 de agosto. As nove mais recentes foram concluídas na última sexta-feira. Juntas, elas somam mais de 27 mil entrevistas, cerca de nove vezes mais do que a amostra de uma pesquisa nacional do Ibope.

Ponderados os resultados estaduais segundo o porcentual de comparecimento dos eleitores em cada unidade da Federação na eleição de 2006, percebe-se que Dilma chega a 53% de intenção de voto, contra 27% de Serra e 8% de Marina.

Trata-se de uma média dos últimos 20 dias. Portanto, essa totalização não é tão recente quanto a pesquisa nacional Ibope divulgada na sexta-feira, que apontou Dilma com 51%. A diferença entra elas está dentro da margem de erro e não indica oscilação da petista. Os dois resultados se confirmam.

A um mês da eleição, Dilma tem cerca de 27 milhões de votos a mais do que Serra. Para levar a eleição para o segundo turno, o tucano e Marina precisam “roubar” 200 mil eleitores por dia da petista, em média.

Emiliano 1331. Jantar por Adesão

Paulo Vanucchi fará palestra em Salvador a convite de Emiliano

O Secretário Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, Paulo Vanucchi, fará palestra em Salvador sobre o “Terceiro Programa Nacional dos Direitos Humanos”. O evento, que acontecerá no dia 16 (quinta-feira), às 19h, na Faculdade 2 de Julho (Garcia), está sendo organizado pelo candidato a deputado federal Emiliano (1331). A entrada é franca.

O Programa Nacional dos Direitos Humanos (PNDH-3) representa a opção do Brasil pelo fortalecimento da democracia do ponto de vista político-institucional e também da igualdade econômica e social.

O PNDH-3 é um verdadeiro roteiro para implantação da democracia: Diálogo permanente entre Estado e Sociedade Civil; Transparência em todas as esferas de governo; Primazia dos Direitos Humanos nas políticas internas e nas relações internacionais; Caráter laico do Estado; Fortalecimento do pacto federativo; Universalidade, indivisibilidade e interdependência dos direitos civis, políticos, econômicos e sociais; Opção pelo desenvolvimento sustentável; Respeito à diversidade; Combate às desigualdades; Erradicação da fome e da extrema pobreza.

“Com Lula muito se avançou. Há saldos positivos em todas as áreas dos Direitos Humanos. Mas, os avanços não podem esconder os problemas reais. Há índices alarmantes de violência, prostituição infantil, grupos de extermínios, trabalho escravo, mão-de-obra infantil, condições degradantes nos presídios, tortura policial, criminalização dos movimentos sociais. Não haverá paz sem justiça social”, alerta Emiliano.

Desempenho de Wagner nas pesquisas eleitorais

Acompanhe a vantgem de @jaqueswagner nas últimas pesquisas eleitorais. 31% de vantagem no Ibope, 24% no Datafolha e 29% no Vox Populi. Veja infográfico nos links abaixo:

http://cot.ag/bI40v8

http://www.souwagner13.com.br/motix/pt_br/pesquisas/

César Maia e Jefferson repreendem Serra no Twitter

Quando acessar o microblog Twitter, hoje, o candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, encontrará não apenas as costumeiras críticas e provocações de adversários, mas também de aliados. Nesta manhã, o ex-prefeito do Rio e candidato ao Senado Cesar Maia (DEM), sem citar Serra, criticou declarações elogiosas do tucano ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, feitas recentemente. "Há que se ter cuidado com as declarações sobre adversários. Foi dito que Mantega era correto e Lula estadista. E agora, José?", escreveu Maia na internet.

No episódio sobre um suposto dossiê que envolveria a economista e ex-modelo Marina Mantega, filha do ministro, Serra disse que o petista é um "homem correto". Em maio passado, o candidato do PSDB afirmou que o presidente Lula "está acima do bem e do mal". Nos últimos dias, Serra foi criticado por Lula pela forma como reagiu à notícia da quebra do sigilo fiscal de sua filha, Verônica. Mantega rejeitou motivações eleitorais e disse que o vazamento de dados da Receita Federal "é muito maior".

O presidente do PTB, deputado cassado Roberto Jefferson, é outro aliado que recorreu ao Twitter para reclamar de Serra. Queixou-se dos ataques do tucano ao ex-presidente e hoje senador Fernando Collor (PTB-AL). Collor é candidato ao governo de Alagoas.

Apesar de vários parlamentares do PTB apoiarem Dilma, o partido está formalmente coligado com o PSDB de Serra. "O Collor em momento algum falou contra o Serra. Para que Serra está falando contra o Collor? Me deixa mal", protestou Jefferson no Twitter. "Fiz acordo com Collor. Eu não interviria em Alagoas e ele não criaria problemas para a coligação PTB/PSDB. A batida nacional em Collor/PTB afeta nossa campanha em Alagoas. Sé é ruim para meu partido, é para mim", insistiu o presidente do PTB.

04 setembro 2010

Lula questiona quebra de sigilo fiscal da filha de Serra

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva acusou o candidato do PSDB à Presidência, José Serra, de baixar o nível da campanha e transformar sua família em vítima com o episódio da quebra do sigilo fiscal de sua filha, Verônica Serra. Durante comício realizado em Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo, Lula questionou se o vazamento do sigilo fiscal de Verônica realmente ocorreu e relacionou o caso a uma tentativa de virar o jogo eleitoral, até agora favorável a sua candidata, Dilma Roussef (PT). As violações fiscais, de Verônica e de outros integrantes do PSDB, foram comprovadas pela comissão de investigação da Corregedoria da Receita Federal.

"Cadê esse tal de sigilo que não apareceu até agora? Cadê o vazamento das informações?", disse. "Mentira tem perna curta e quando as pessoas começam a mentir descaradamente e a procurar alguém para responsabilizar pelo seu fracasso, aí a coisa não fica bem", afirmou. "Ninguém precisa baixar o nível da campanha e tentar transformar a família em vítima".

Em seu discurso, Lula pediu votos para Dilma e tripudiou Serra. "Aí sim nosso adversário vai ficar nervoso. Se tomar uma surra da Dilma em Guarulhos e em São Paulo", disse. "Vamos ganhar essa eleição sem ofender uma vez nosso adversário".

Sem citar o nome de Serra, Lula disse que sua campanha na TV está pesada e rasteira". "O bicho anda com uma raiva que eu nem sei de quê. É próprio de quem não sabe nadar e quando cai na água fica se debatendo até morrer afogado", afirmou. Por outro lado, Lula afirmou que a propaganda de Dilma na TV reproduz a tranquilidade da campanha e da adversária. "É por isso que nosso adversário está nervoso e é importante ele lembrar que o povo não gosta de ver gente nervosa na TV".

Dilma Roussef tinha presença confirmada no comício, mas comunicou ao presidente Lula, na noite de ontem, que permaneceria em Porto Alegre para acompanhar os exames a que sua filha, Paula, está se submetendo nos últimos dias que antecedem o parto de seu filho Gabriel.

Lula não explicou, durante o comício, porque usou uma tipoia no braço esquerdo. Segundo apurou o Grupo Estado, o médico do presidente Lula decidiu colocar a tipoia no presidente devido a uma tendinite. Há três dias, Lula vinha se queixando da dor e piorou nesta manhã. Lula também sofre de bursite, mas no ombro direito.

Datafolha confirma vitória de Dilma no primeiro turno

Se a eleição fosse hoje, pelo Datafolha, a candidata do PT venceria no primeiro turno. Teria mais de 50% dos votos válidos.

Nessa conta de votos válidos, Dilma tem 56%. Serra tem 32%. Marina vai a 11%. Os percentuais são semelhantes aos da semana passada: 55%, 33% e 10%.

Num eventual segundo turno, a petista também venceria o tucano por 56% a 36% dos votos. Haveria 5% votando em branco, nulo ou nenhum e 4% ainda indecisos.

Na pesquisa espontânea, quando os entrevistados falam em quem desejam votar sem ver uma lista de nomes, Dilma marcou 38% contra 35% na semana passada, indicando que sua tendência de alta continua.

Serra oscilou apenas dentro da margem de erro na sondagem espontânea, indo de 18% para 19%. Marina saiu de 5% e foi a 6%.

Serra que era rejeitado por 24% em julho, subiu para 28% no começo de agosto. Agora, 31% dizem que não votariam no tucano de jeito nenhum.

Marina Silva é rejeitada por 17% e Dilma por 21%.

Quando o Datafolha pergunta quem o eleitor acredita que vai vencer a eleição presidencial de 3 de outubro, Dilma continua sendo a escolhida pela maioria. Hoje, 69% dizem que a petista vai ganhar. Na semana passada, o percentual era de 63%.

Só 15% acham que Serra será o vencedor - pouco mais da metade dos que declaram voto no tucano. No caso de Marina Silva, 1% acredita na sua vitória.

Segundo o Datafolha, 51% declararam ter assistido os programas do horário eleitoral, contra 39% na semana anterior. Isso significa que muitos eleitores tomaram conhecimento dos fatos dos últimos dias.

A pesquisa foi feita nos dias 2 e 3 de setembro, com 4.314 eleitores em 203 cidades. O levantamento está registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com número 27.903/2010.

01 setembro 2010

Bahia poderá ganhar três novas unidades do Instituto Federal

Três novas unidades do Instituto Federal Baiano poderão ser criadas no próximo ano nos municípios de Boninal, Ibipitanga e Remanso. A possibilidade foi admitida na terça-feira (31), em Brasília, durante reunião com o secretário de Educação Profissional e Tecnológica do MEC, Eliezer Pacheco. O encontro foi provocado pelo candidato a deputado federal Emiliano (1331) e contou com as presenças dos prefeitos de Boninal, Raimundo Eudes Paiva, de Ibipitanga, Humberto Raimundo Rodrigues, e de Remanso, José Clementino de Carvalho Filho, além do reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano, Sebastião Edson Moura, e do superintendente de Organização e Atendimento da Rede Escolar da Secretaria de Educação da Bahia, José Maria Dutra.

Os prefeitos deverão elaborar as propostas de cada cidade e a aprovação dependerá dos projetos, que deverão indicar o número de habitantes, as características e as possibilidades dos municípios. Também deverão indicar quantos municípios o cercam, para avaliar o alcance das implantações, e quais os cursos mais adequados para cada região.

Na avaliação de Emiliano, a discussão foi proveitosa e houve uma alegria muito grande por parte dos prefeitos com a possibilidade. “Ainda este ano a ideia deverá ganhar contornos mais concretos para que a gente possa apressar a execução desses projetos. O MEC tem dado importância aos municípios pequenos, principalmente aqueles que não têm nenhuma instituição de ensino tecnológico e superior".

Segundo ele, esse é mais um passo do governo que está em andamento no Brasil. “Há uma valorização do ensino técnico profissional e superior e uma demanda crescente de mão de obra especializada no País. Com a implantação dessas três novas unidades, estaremos seguindo adiante na proposta de implantação de cerca de 1000 unidades do Instituto de Ensino Técnico e Profissional do País”.

Emiliano criticou a posição do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso que, segundo ele, “criminosamente” decretou o fim do ensino técnico profissional. “Lula, sabiamente, e com a compreensão da necessidade do desenvolvimento do Brasil, de valorização da juventude, fez em oito anos o dobro do que foi feito em um século. E o governo Dilma vai incrementar ainda mais isso. Poderemos fazer centenas de escolas técnicas profissionais no País”.

http://www.emilianojose.com.br/index.cfm?event=Site.dspNoticiaDetalhe¬icia_id=502