01 setembro 2010

Bahia poderá ganhar três novas unidades do Instituto Federal

Três novas unidades do Instituto Federal Baiano poderão ser criadas no próximo ano nos municípios de Boninal, Ibipitanga e Remanso. A possibilidade foi admitida na terça-feira (31), em Brasília, durante reunião com o secretário de Educação Profissional e Tecnológica do MEC, Eliezer Pacheco. O encontro foi provocado pelo candidato a deputado federal Emiliano (1331) e contou com as presenças dos prefeitos de Boninal, Raimundo Eudes Paiva, de Ibipitanga, Humberto Raimundo Rodrigues, e de Remanso, José Clementino de Carvalho Filho, além do reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano, Sebastião Edson Moura, e do superintendente de Organização e Atendimento da Rede Escolar da Secretaria de Educação da Bahia, José Maria Dutra.

Os prefeitos deverão elaborar as propostas de cada cidade e a aprovação dependerá dos projetos, que deverão indicar o número de habitantes, as características e as possibilidades dos municípios. Também deverão indicar quantos municípios o cercam, para avaliar o alcance das implantações, e quais os cursos mais adequados para cada região.

Na avaliação de Emiliano, a discussão foi proveitosa e houve uma alegria muito grande por parte dos prefeitos com a possibilidade. “Ainda este ano a ideia deverá ganhar contornos mais concretos para que a gente possa apressar a execução desses projetos. O MEC tem dado importância aos municípios pequenos, principalmente aqueles que não têm nenhuma instituição de ensino tecnológico e superior".

Segundo ele, esse é mais um passo do governo que está em andamento no Brasil. “Há uma valorização do ensino técnico profissional e superior e uma demanda crescente de mão de obra especializada no País. Com a implantação dessas três novas unidades, estaremos seguindo adiante na proposta de implantação de cerca de 1000 unidades do Instituto de Ensino Técnico e Profissional do País”.

Emiliano criticou a posição do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso que, segundo ele, “criminosamente” decretou o fim do ensino técnico profissional. “Lula, sabiamente, e com a compreensão da necessidade do desenvolvimento do Brasil, de valorização da juventude, fez em oito anos o dobro do que foi feito em um século. E o governo Dilma vai incrementar ainda mais isso. Poderemos fazer centenas de escolas técnicas profissionais no País”.

http://www.emilianojose.com.br/index.cfm?event=Site.dspNoticiaDetalhe¬icia_id=502

Nenhum comentário: